Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










17.7.02
 
Antes de qualquer comentário, quero me penitenciar aqui, em público. Cometi a falta de omitir o nome da autora do poema transcrito no meu útimo post, de 15 do mês corrente. Nada intencional. Reverencio de modo especial a obra dessa poeta, de metáforas esplêndidas e de linguagem contundente. Poeta que se destaca no panorama das letras com brilho e com desenvoltura ímpar.

Infelizmente, estou meio apressada hoje. Estou passando ligeirinho para dizer que sinto falta já deste encontro quase diário em que deixo impressões das notícias do dia, do que me pesa no conteúdo dessas notícias, do que me põe em alerta, do que me agrada ou me dá alguma esperança, enfim, um desabafo com simpatizantes.
Vou providenciar recursos para que haja possibilidade de troca de idéias entre nós. Comecei a usar o weblog há muito pouco tempo
e ainda não tenho muito "jogo de cintura" nesse terreno.Tenho que explorá-lo e aprender seus segredos. Aí, vai ficar mais interessante
com vocês dando idéias, contribuindo com argumentos e dados materiais, enfim, interagindo no melhor dos estilos.
E, realmente, minha passagem hoje, por aqui, é de tal modo corrida que não selecionei um poema sequer para copiar para vocês.
Vou, então, satisfazer o pedido de um irmão e passar a vocês um poema desta escriba aqui que, por sua vez, humildemente, pede que relevem a sua pretensão de produzir versos.

BUSCA

"Ser como o rio que flui"
Manuel Bandeira

Por que calar?
Por que fugir?
Por que mesclar?
Por que diluir?

São tantas áreas
incongruentes
conflitantes...

Como manifestar?
Como interagir?
Como elaborar?
Como persistir?

São tantos espaços
recipientes
estimulantes...

A vida é um rio como todos
obedece a uma correnteza
em seu caminho para o mar

Pra que desconstruir?
Pra que desnortear?

As águas do rio são profundas
A alma pode apreender
a tranquilidade dessa profundeza...

Magaly Campelo de Magalhães
1999/Rio

publicado por Magaly Magalhães às 5:56 PM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário