Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










30.5.04
 


Image of China
Adrienne Adam

Na onda dos minicontos e microcontos.


Dauro Veras entrou na onda e deu sua contribuição muito bem dada. Apreciem:


Destino
Teria sido amor à primeira vista, mas ela dobrou a esquina.

Para Bandini
Ao ver o carro capotado, o cachorrinho sorriu. Fim da fuga, pneu...

Reflexivo
Pensou em mandar o tapa, mas perdeu o tempo e o espaço.

Impulsivo
Revidou o tapa de imediato. Até hoje não soube se agiu bem.


Não dá vontade de *arremedar* (como se diz na minha terra)? Vamos tentar?

Pegadinha
Vi a cédula, quis pegar, cambaleei, caí... Risos de mofa lá adiante...


Quem se habilita? O espaço dos comentários é serventia do blog.


E se a tendência são contos breves, que dizer dos poemas mínimos? Epigramas, melhor dizendo

RESUMO DO DIA
Heitor Ferraz

Nenhum recado de morte
que sempre abala
tanto a família.
O mundo perplexo parou
e a vida
oblíqua
preferiu continuar traindo
sem matar ninguém.


Dá para ousar? Mexendo nos guardados:

SENTIDOS

Seria um gesto de
identificação com a paisagem
todavia...
o barulho do trânsito
o calor do asfalto
os *atletas* do largo
o odor dos restaurantes
o desconforto dos excluídos
...
diluíram o gesto
emudeceram a palavra
2.000/Rio

publicado por Magaly Magalhães às 11:31 PM
24.5.04
 


Case ad Auvers
Vincent Van Gogh
www.wholesaleoilpainting.com

Não há dinheiro no mundo que pague uma relação infeliz como a nossa. Ela disse isso uma semana antes do décimo sétimo aniversário do casamento deles. Disse assim, no meio de uma conversa que, a princípio, não deveria ter maiores conseqüências. Ele ouviu quieto. Depois fez as malas e foi embora. Um mês depois ela ligou para o apart onde ele estava hospedado. Deixou um recado na secretária eletrônica toda docinha, chorando, pedindo para ele ligar. Ele ouviu o recado um monte de vezes, voltando a fita a cada pouco, com os olhos molhados. Mas nunca ligou de volta.

DROPS 13 (segunda narrativa), de CRÔNICAS DE QUASE AMOR, de Fábia Vitielo.

É ela mesma, a nossa festejada Fal ,do blog Drops da Fal.
Ela sabe dizer as coisas de modo despojado, a maioria das vezes com humor, coisas repassadas de sentimento e poesia. Ela é a dona do quase definido lindamente nas crônicas e mini-crônicas casuais (drops), nas quais os limites são ausentes ou se tornam difusos. Vale a pena ter Fal na cabeceira.

Não falo só da criatura perspicaz, observadora, capaz de atinar com os detalhes mais insignificantes que compõem uma situação e trazê-las despretensiosamente para o papel onde ganham cor, movimento, relevância, enfim, não falo só da escritora que a Fal é, para gáudio nosso, falo da Fal humana, amiga, alegre, otimista, sem máscara, da Fal dedicação e compreensão, falo da carga de afetividade que, na realidade, ela mostra ter.

Fal, falando (se me permitem), pela classe blogueira:
Gostamos de você como escritora e como pessoa e torcemos pela sua carreira ascensional no meio literário.


------------------------------------------------


Uma situação comum num futuro próximo

A evolução do sistema informação pela involução da privacidade!!! Ëtica?!!! (mensagem recebida por email)

(Piada?!!!)

Uma Pizza em 2007

Telefonista: Pizza Hot, boa noite!

Cliente: Boa noite, quero encomendar pizzas...

Telefonista: Pode me dar o seu NIDN?

Cliente: Sim, o meu número de identificação nacional é 6102-1993-8456-54632107.

Telefonista: Obrigada, Sr.Lacerda. Seu endereço é Av. Paes de Barros, 1988 ap.52 B
e o nº de seu tel. é 5494-2366, certo? O telefone do seu escritório na Lincoln Seguros é o 5745-2302 e o seu celular é 9266-2566.

Cliente: Como você conseguiu essas informações todas?

Telefonista: Nós estamos ligados em rede ao Grande Sistema Central.

Cliente: Ah, sim, é verdade! Eu queria encomendar duas pizzas, uma quatro queijos e outra calabresa...

Telefonista: Talvez não seja uma boa idéia...

Cliente: O quê?

Telefonista: Consta na sua ficha médica que o senhor sofre de hipertensão e tem a taxa de colesterol muito alta. Além disso, o seu seguro de vida proíbe categoricamente escolhas perigosas para a sua saúde.

Cliente: É, você tem razão! O que você sugere?

Telefonista: Por que o senhor não prova nossa pizza Superlight, com tofu e rabanetes? O senhor vai adorar!

Cliente: Como é que você sabe que vou adorar?

Telefonista: O senhor consultou o site "Recettes Gourmandes au Soja" da Biblioteca Municipal, dia 15 de janeiro, às 14:27h, onde permaneceu ligado à rede durante 39 minutos. Daí a minha sugestão...

Cliente: Ok, está bem! Mande-me duas pizzas tamanho família!

Telefonista: É a escolha certa para o senhor, sua esposa e seus filhos, pode ter certeza.

Cliente: Quanto é?

Telefonista: São R$49,99.

Cliente: Você quer o número do meu cartão de crédito?

Telefonista: Lamento, mas o senhor vai ter que pagar em dinheiro. O limite do seu cartão de crédito já foi ultrapassado.

Cliente: Tudo bem, eu posso ir ao Multibanco sacar dinheiro antes que chegue a pizza.

Telefonista: Duvido que consiga, o Sr. está com o saldo negativo no banco.

Cliente: Meta-se com a sua vida! Mande as pizzas que eu arranjo o dinheiro. Quando é que entregam?

Telefonista: Estamos um pouco atrasados, vai levar uns 45 min. Se o senhor estiver com muita pressa pode vir buscá-las, se bem que carregar duas pizzas na moto é muito perigoso...

Cliente: Mas que história é essa, como é que você sabe que eu vou de moto?

Telefonista: Peço desculpas, mas reparei aqui que o senhor não pagou as últimas prestações do carro e ele foi penhorado. Mas a sua moto está paga, e então pensei que fosse utilizá-la.

Cliente:
@#%/§@?#>§/%#!!!!!!!!!!!!!

Telefonista: Gostaria de pedir que não me insulte... não se esqueça de que o Ssenhor já foi condenado em julho de 2006 por desacato em público a um Agente Regional.

Cliente: (Silêncio)

Telefonista: Mais alguma coisa?

Cliente: Não, é só isso... não, espere... não se esqueça dos 2 litros de Coca-Cola que constam na promoção.
Telefonista: Senhor, o regulamento da nossa promoção, conforme citado no art. 309.542/12, nos proíbe de vender bebidas com açúcar a pessoas diabéticas...

Cliente: Aaaaaaahhhhhhhh!!!!!!!!!!! Vou me atirar pela janela!!!!!

Telefonista: E machucar o joelho? O senhor mora no andar térreo!

publicado por Magaly Magalhães às 10:05 PM
20.5.04
 


Souberam desta?

Agência Estado - 07:02 - 05/05/2004
França quer cobrar direito autoral pela imagem do Cristo Redentor

Fórum: você concorda com o pedido da família francesa?

A Sociedade de Autores e Compositores Dramáticos da França quer cobrar os direitos autorais pela utilização da imagem do Cristo Redentor. O pedido, encaminhado à Sociedade Brasileira de Autores (SBAT), foi feito em nome da família do artista Paul Landowiski, responsável pela execução da escultura.
A informação é do vice-presidente da SBAT, Bemvindo Sequeira. "A lei brasileira impede o pagamento, porque depois de 15 anos em logradouro público, a obra se torna domínio público. Os franceses são tão organizados que estão pedindo o pagamento dos direitos autorais. Isso tudo teria que ser feito desde 1932", explicou Sequeira.
Para ele, essa é uma prova de que a questão do direito autoral é levada com seriedade em outros países.

http://noticias.aol.com.br/geral/fornecedores/age/2004/05/05/0001.adp


E desta?

Mulher encontra violoncelo Stradivarius de US$ 3,5 milhões no lixo
Um violoncelo Stradivarius avaliado em US$ 3,5 milhões foi encontrado numa lixeira após ter sido roubado da casa de um músico da Filarmônia de Los Angeles. A informação foi divulgada nesta terça-feira pela polícia local.

O instrumento, de 320 anos, um dos únicos 60 fabricados por Antonio Stradivari, quase foi transformado em um porta-CDs.

O violoncelo foi roubado da varanda da casa do músico no mês passado e encontrado três dias depois numa lata de lixo de uma rua de Los Angeles por uma mulher. Ela resgatou o precioso instrumento e o levou para casa, onde perguntou ao namorado se faria reparos nele para transformá-lo num porta-CDs personalizado.

"Graças a Deus meu namorado não trabalha rapidamente nas minhas coisas", disse a moça, segundo seu advogado, Ron Hoffman, após descobrir que o instrumento tinha sido roubado.

O editor do UOL Tablóide já encontrou muitas coisas no lixo. Bilhetes de loteria (que não foram premiados), guitarras Ao Rei dos Violões sem cordas e sem valor, revistas "Playboy" com as páginas arrancadas, times de botão incompletos do Flamengo...

8/05/2004
http://notícias.uol.com.br/tablóide/tabloideanas


Trago-lhes essas notícias para descansarmos um pouco dos intermináveis registros de atentados e morticínios por esse mundo-de-deus. Que coisa asfixiante! A intolerância, a agressividade, a ganância tomaram conta do mundo e só se ouve falar em sangue, morte, extermínio. Quando o homem vai perceber que tem uma missão na terra e tem que se render ao sentimento de amor, proclamar a paz?


Vamos terminar com

CODA

De Salgado Maranhão
A Ferreira Gullar/Sol Sangüíneo

Agora que cantar é flor
de lavas, lides
e o sol sangüíneo raia
nosso cais,
uma foz de lábios
nos incesta ao arbítrio
antes que rapinas raptem
nosso último grão de víscera.

Cantar como as pedras rolam
cantar como o sangue cinge
os dígitos do amor mensurável.

Radical amanhece
A ramagem de incêndios
sobre as vinhas.

Do sublime à barbárie,
eis que o destino inscreve-se
nos dentes.

Transidos recolhemos a penugem
do sol
e o silêncio
em riste.

No ermo de ter-se sem se pertencer
só o impermanente permanece.

publicado por Magaly Magalhães às 12:19 AM
12.5.04
 

Tela a óleo de Lêda Yara Motta Mello


"Pedra na pedra, o homem onde estava? Ar dentro do ar, o homem onde estava? Tempo no tempo, o homem onde estava?"
(Pablo Neruda, CANTO GERAL)


Vocês sabem que o dia 21 de março é o Dia Mundial da Poesia? A UNESCO (United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization) mantém um site onde estão registrados eventos como festivais, prêmios; revistas em circulação; instituições existentes em funcionamento; e ainda sites de internet no mundo. Os que se interessarem pelo assunto cliquem aqui.

Vocês vão ver a posição do Brasil nas categorias acima mencionadas. Entre as instituições ali inseridas, está o simpático grupo Palavreiros, fundado em 1999, na cidade de Diadema, São Paulo/Brasil.
Na edição deste ano, Palavreiros -portal brasileiro de literatura,
homenageia Pablo Neruda pelo centenário de seu nascimento.
Trata-se , na realidade, de um festival livre de poesia, sem característica de concurso, com a participação de 1.000 poetas de 37 países. É o 3º festival de Palavreiros comemorando o Dia Mundial da Poesia pela união dos povos através da poesia.

Leda Yara Motta Mello, que, de vez em quando, empresta seu brilho a estes posts, é uma das poetas do grupo Palavreiros. Neste portal, clicando em Brasil/Alagoas, vocês encontrarão alguns de seus poemas, entre os quais o que lhes deixo agora:

ONDE ESTAVAS?

Não estiveste quando a primavera
Sorriu na haste da primeira flor.
Também não estavas quando o frio inverno
Pediu em mim o sol do teu calor.

Veio o verão banhado de alegria
Não aqueceste o meu coração.
Na solidão do outono vi a nostalgia
Das folhas mortas, soltas pelo chão.

Sozinha vi o brilho do luar,
Contei estrelas, contemplei o mar,
Andei caminhos das minhas verdades...

Não partilhaste a luz do arrebol
Não estiveste em cada pôr de sol
Que permanece a hora das saudades.

Do livro Meus Sonhos



De Neruda, como extensão da homenagem:

ANTES

ANTES de amar-te, amor, nada era meu:
vacilei pelas ruas e as coisas:
nada contava nem tinha nome:
o mundo era do ar que esperava.

E conheci salões cinzentos,
túneis habitados pela lua,
hangares cruéis que se despediam,
perguntas que insistiam na areia.

Tudo estava vazio, morro e mundo,
caído, abandonado e decaído,
tudo era inalienavelmente alheio,

tudo era dos outros e de ninguém,
até que tua beleza e tua pobreza
de dádivas encheram o outono.

publicado por Magaly Magalhães às 6:58 PM
7.5.04
 
Il Ballo del Moulin de la Galette
Oil painting de Auguste Renoir




Tirei o dia hoje para “brincar de casinha” (aprendi com a Fal; ela fala assim em seu livro Crônicas de Quase Amor. Que bonitinho!)
De manhã, parti para podar minhas azaléias, na varanda. Como floraram neste verão (um pouco menos quente que o habitual)! Estavam sujinhas, precisavam mesmo de uma mão amiga.
Almoço preparado e consumido, cozinha arrumada, iniciei umas modificações na área de serviço e dependências.
Pronto! Agora está como eu quero. Ufa!


*************************

Hoje é dia de conversa fiada. Uma boa saída para um pequeno “relax”. Pra que negar nossa natureza?

Adoro prefácio, introdução, apresentação, orelha, dedicatória de livros. Não sei ler um livro sem passar pelo que está escrito debaixo dessas quatro primeiras denominações. É, são manifestações ora do próprio autor, ou de alguém fora da obra, geralmente um “expert” no assunto, ou de uma pessoa entendida, muito ligada ao escritor apresentado e têm a finalidade de orientar o leitor a fazer uma leitura mais proveitosa. Já a dedicatória revela o sentimento do autor ao escrever e lançar seu trabalho.
Dois prefácios (ou introduções) que sempre releio toda vez que retomo os respectivos livros: o de Benedito Nunes introduzindo o “Poesia de Mário Faustino” e o que apresenta “ Flor de Poemas” de Cecília Meireles, escrito por Darcy Damasceno sob o título “Poesia do Sensível e do Imaginário”.
Falando de dedicatórias, juro que nunca li mais belas do que as de Florbela Espanca. Uma delas está em seu livro “Trocando Olhares”:

É teu o meu livro; guarda-o bem;
Nele floresce o meu casto amor
Nascido nesse dia em que o destino
Uniu o teu olhar à minha dor!

E em “Livro das Mágoas”:

À querida Alma irmã da minha,
Ao meu irmão.


***********************

Não dá para falar em Cecília sem deixar um de seus poemas.

RETRATO

Eu não tinha este rosto de hoje,
assim calmo, assim triste, assim magro,
nem estes olhos tão vazios,
nem o lábio tão amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força,
tão paradas e frias e mortas;
eu não tinha este coração
que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança,
tão simples, tão certa, tão fácil:
- Em que espelho ficou perdida
a minha face?

publicado por Magaly Magalhães às 1:27 AM