Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










21.5.03
 
Estava escrevendo sobre os ecos da Bienal, mas ando perdendo posts. O que estou fazendo aqui hoje é exatamente um tipo de teste. Quero ver se consigo publicar este post. Caso contrário, tenho que tomar medidas mais sérias. Por enquanto, estou tentando descobrir o que há, dentro de minhas parcas possibilidades. Desejem-me sorte e estarei de volta o mais breve possível.
Boa semana pra todos.

publicado por Magaly Magalhães às 11:47 PM
18.5.03
 
A novidade do momento é o sucesso que tem registrado a Bienal do Livro, evento a cada realização mais concorrido e mais bem representado. O Café Literário tem atraído gente de toda faixa etária, gente que se empolga em ouvir os autores falarem de suas obras, de seu processo criativo, de seus projetos para o futuro, de suas idiossincrasias, de suas experiências literárias. A série de encontros desta bienal também aponta para o sucesso: a Família literária que reúne escritores do mesmo núcleo familiar ou escritores que se identificam por afinidades, a série Amigos para sempre em que escritores invocam a memória de outros escritores que já nos deixaram. Há as estrelas estrangeiras, como o escritor anglo-indiano, Salman Rushdie, autor de "Os versos Satânicos" que agora vem falar de de seu mais recente livro - "Fúria", obra considerada premonitória; e a cartunista argentina Maitena, autora de "Mulheres alteradas".
Acompanhemos as notícias e viva a cultura!

@@@@@@@@@@@@

Falando de SAÚDE

Está na Veja nº20: "12 por 8 é ruim"
As pessoas eram consideradas hipertensas com pressão arterial acima de 13 por 9 e 14 por 9. Hoje, a pressão de 12 por 8 já é considerada faixa de risco. Esta nova tomava de posição dos médicos prende-se ao fato de que diversas pesquisas mostram que o risco de doenças cardiovasculares é revelador em pessoas com pressão entre 12 por 8 e 13 por 9.

Falando de SPAM

Está neurótico/a com a caixa de mensagens cheia de entulho?
Programas que bloqueiam e-mails indesejados:
MailSweep (www.crystaloffice.com), Spam Buster (www.contactplus.com), SpamEater Pro (www.hms.com), SpamKiller (www.mcafee.com) ---> pagos ; Mailwasher (www.mailwasher.net),
Despammed (www.despammed.com) ---> gratuitos. Vi na Veja nº 20

@@@@@@@@@@@

Ferreira Gullar

É poeta presente a esta Bienal. Alguns de seus poemas:

Muitas vozes

Meu poema
é um tumulto:
é fala
que nele fala
outras vozes
arrasta em alarido
(estamos todos nós
cheios de vozes que o mais das vezes
mal cabem em nossa voz:
se dizes pêra
acende-se um clarão
um rastilho
de tardes e açúcares
ou
se azul disseres
pode ser que se agite
o Egeu
em tuas glândulas).
A água que ouviste
num soneto de Rilke
os ínfimos
rumores no capim
o sabor
do hortelã
(essa alegria)
a boca fria
da moça
o maruim
na poça
a hemorragia
da manhã
tudo isso em ti
se deposita
e cala.
Até que de repente
um susto
ou uma ventania
(que dispara o poema)
chama
esses fósseis à fala.
Meu poema
é tumulto, um alarido:
basta apurar o ouvido.


That is the question

Dois e dois são quatro.
nasci cresci
para me converter em retrato?
em fonema? em morfema?
Aceito ou denoto o poema?


Isto e aquilo

você é seu corpo
sua voz seu osso
você é seu cheiro
e o cheiro do outro
o prazer do beijo
você é seu gozo
o que vai morrer
quando o corpo morra
mas é também aquela
alegria (verso, melodia)
que, intangível, adeja
acima do que a morte beija

@@@@@@@@@@



publicado por Magaly Magalhães às 1:23 AM
12.5.03
 
Homenagem às mães de hoje, do futuro e às que já se foram , com carinho. Um pouco tardia, mas só agora consegui um tempinho para vir aqui.

"A relação entre mãe e filho é, em certo sentido, paradoxal e trágica. Requer intenso amor por parte da mãe; contudo, esse mesmo amor deve ajudar a criança a crescer, separar-se da mãe e tornar-se plenamente independente.
Eric from

http://www.rainhadapaz.g12.br/eventos/imagens/imagensmae99/MAE_AMAMENTANDOpeq.jpg

publicado por Magaly Magalhães às 1:08 AM
9.5.03
 
Admirava em Waly Salomão a sua exuberância, o seu entusiasmo, como se uma força cósmica ungisse sua poesia. Poeta de linguagem visceral, de ritmo de transe nas evoluções das personagens, Waly tendia, às vezes, a uma fúria onomatopaica sem, entretanto, deixar escapar o sentido.

"Já não me habita mais nenhuma utopia
animal em extinção
quero praticar poesia
a menos culpada de todas as ocupações"
De Lábia, um de seus livros mais interessantes.

A morte colheu-o cedo, no vigor de seu 57anos, quando ainda nos podia oferecer trabalhos tão originais como seu útimo livro Tarifa de embarque em que ele acrescenta um elemento predominantenente lírico - a busca por origens, a demanda
por ancestralidades.

Seu espírito satírico não era menos interessante, o que podemos conferir no epigrama :
Novelha cozinha poética:

Pegue uma fatia de Theodor Adorno
Adicione uma posta de Paul Celan
Limpe antes os laivos do forno crematório
Até torná-la magra-enigmática
Cozinhe em banho-maria
Fogo bem baixo
E depois leve ao departamento de Letras
Para o douto Professor dourar

Adeus, Waly, sua presença física vai ser sentida, mas fica a sua obra de impetuoso ritmo e vigor.

************************

Com licença poética

Adélia Prado

Quando nascí um anjo esbelto,
desses que tocam trombeta, anunciou:
vai carregar bandeira.
Cargo muito pesado pra mulher,
esta espécie ainda envergonhada.
Aceito os subterfúgios que me cabem,
sem precisar mentir.
Não sou tão feia que não possa casar,
acho o Rio de Janeiro uma beleza e
ora sim, ora não,
creio em parto sem dor.
Mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina.
Inauguro linhagens, fundo reinos
- dor não é amargura.
Minha tristeza não tem pedigree,
já a minha vontade de alegria,
sua raiz vai ao meu mil avô.
Vai ser coxo na vida
é maldição pra homem.
Mulher é desdobrável. Eu sou.


É, Adélia sabe dizer coisas!...






publicado por Magaly Magalhães às 2:02 AM
5.5.03
 
Alô, gente boa! Vejam só o que acabo de ler.

WEB ARMADA

"Uma webcam plugada a um computador foi a protagonista numa tentativa de assalto em Araçatuba, no interior de São Paulo.
A professora Verônica Patrícia Eguia Pereira Soares, de 25 anos, trocava mensagens pelo NetMessenger, da Microsoft, com um
amigo que mora em Montevidéu, no Uruguai, quando dois homens encapuzados e armados com revólveres calibre 38 invadiram sua
casa. Verõnica, seus pais e um sobrinho foram amordaçados e deixados na sala, enquanto os assaltantes esvaziavam a casa. O
que nenhum deles sabia é que o NetMessenger continuava ligado, filmando tudo o que acontecia na sala. Logo que percebeu o assalto, o amigo de Montevidéu - identificado apenas como Maurício - ligou para um tio em São Paulo, que notificou o serviço 190
da Polícia Militar. Pouco depois, a casa já estava cercada.
A história teve final feliz. Depois de quatro horas de negociações, os bandidos se renderam e Verônica pôde se reconectar e
tranqüilizar o amigo uruguaio.

Notícia lida em Clique Final por Flávia Yuri, da revista INFO Exame de maio / 2003.

*********************

Quem leu a entrevista de Cacá Diegues para O Globo sobre a retomada do cinema e as ameaças que pesam sobre a cultura pela novas regras de incentivo fiscal?

"As atuais regras de incentivo são uma sandice cultural, audácia autoritária que nem a ditadura foi capaz de ousar."

"Não creio que Lula tenha conhecimento exato do que está acontecendo".

"Para alcançar a grandeza, é preciso liberdade."


Uma pena que algo possa vir a cercear o desenvolvimento do cinema brasileiro, justamente agora que ele tendia para a condição de atividade industrial auto-sustentável.

************************

Poeticamente, fala-nos de liberdade o nosso consagrado vate J.G.de Araújo Jorge

ORDEM DO DIA

J. G. de Araújo Jorge


Não chegaremos ao livro, sem o leite e o pão,
nem chegaremos ao pão sem a terra e sem o teto,
nem chegaremos à terra sem liberdade e justiça,
oh! a indispensável coragem
para essa luta.

Lutemos, pois, - todos nós, - brancos, pretos e amarelos,
que choramos e comemos, que crescemos e estudamos,
que sofremos e construímos, como homens sem cor,
todos nós que precisamos do mesmo leite branco
e do mesmo livro, e da mesma terra, e da mesma liberdade
para viver.

Viver.
Ou ao menos morrer, mas lutando.


Não tenho certeza, mas acho que não é a primeira vez que falo, aqui, de liberdade através deste poema forte e inspirado.
Nada a perder com a repetição. O poeta sabe dar cores, tons e vibração a tema de tanta relevância.


Boa semana, bom período de trabalho e confiança em dias melhores.







publicado por Magaly Magalhães às 2:17 AM
2.5.03
 
Alô! Tenho novidade!

http://www.maricotatricota.blogger.com.br/cblog_lindosolhos.jpg

publicado por Magaly Magalhães às 5:44 PM
1.5.03
 
Tenho a grata satisfação de dizer que o sistema de comentários já voltou a funcionar. Que bom! Estava sentindo falta da "voz" de vocês. Agora, é só colocar em dia a leitura dos posts e comentar os publicados nas últimas semanas e no dia corrente.

Estou sem referenciais hoje. Ando dando atenção a assuntos fora da Internet e isso me afasta um pouco dessa nossa atmosfera.

Aos poucos, vou reentrando, e nada melhor para isso do que a porta do sentimento, a voz da poesia, razão maior do meu espaço virtual, como vocês podem muito bem comprovar .

Dublé Canoro

Uma sintaxe das cifras
recita-se uníssona
ao périplo
de plumas

Um estampido fura
a partitura na clave do
sol

sem
rumo
a carne
em queda

na rota ainda suas notas


Refratar

Se nas fórmulas
das palavras
um grafite
atingir
sua forma máxima,
um poema cortará
o papel que o
refrata.


Reciclar

Salvo um verso,
o que era apenas caligrafia
devolve-se do rascunho
à paisagem,
a parte que cabe às árvores
e o que sobrar
ao menos brotem pedras
do grafite.

Os três poemas acima são do poeta carioca Marco Antônio Saraiva, nascido em 1963, autor de Entre nervuras e Sete jardins e uma paisagem, livros de poesia.



Voltarei em poucos dias. Até lá.


publicado por Magaly Magalhães às 1:24 AM