Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










29.9.04
 
O Pensador , de Auguste Rodin


FALANDO DO SER HUMANO

No modo oriental de encarar o ser humano, fica difícil separar a concepção religiosa da filosófica. Os orientais não as separam, já que têm do homem uma visão cósmica.
No Ocidente, herdamos da filosofia grega a visão do homem como sujeito: o eu é visto como sujeito, enquanto o social é minimizado. E esta concepção manteve-se através de toda a evolução do pensamento filosófico ocidental pelo tempo afora: na filosofia medieval, nas teorias do Iluminismo, na filosofia contemporânea.
Na realidade, somos seres de natureza cultural (Ser / Valorar / Saber).
Saber representa Poder. Tudo leva a crer que, quanto maior o conhecimento, melhor o desempenho do homem (mas é isto o que se tem verificado na realidade? Não usamos o nosso conhecimento científico para a fabricação de armas mortíferas?).
Os conceitos filosóficos de Platão e Aristóteles, posteriormente adotados por Santo Agostinho e São Tomás de Aquino, respectivamente, já mostram uma visão cristã.
Na Renascença, considera-se o homem triunfante, o suposto Homem Racional.
Hoje, diz-se exatamente o contrário: Racional = Consciência + Existência.
Racionalidade = Comportamento Adequado é questão posta em dúvida. Este tipo de questionamento só foi percebido a partir do século XIX para o século XX, impondo-se a análise qualitativa dos conhecimentos.
Se conhecimento leva o homem a um melhor estágio de vida, como se compreende que um cientista use sua linguagem científica para produzir instrumento de tortura? Aqui, então, o conhecimento pode ser visto em sua ambigüidade. Como instrumento de mediação, pode ser usado de forma benéfica ou maléfica. Ele se desenvolve a partir da solicitação do poder.
No momento, nossa sociedade vive uma crise ética, uma crise de valores; não temos respeito pela vida. Essa crise pode induzir o homem a questionar-se, a pensar-se e até a reformular-se.
O conhecimento não é sempre constante, crescente e ininterrupto. Um exemplo disso é o comportamento dos gregos que, em suas considerações filosóficas, chegaram até o átomo e o esqueceram. Passaram-se séculos para que o átomo voltasse à linha de consideração e fosse utilizado o manancial de possibilidades que abria. Infelizmente, abriu portas também para a destruição. Será que o remédio a aplicar a um grupo social que se desagrega é um rompimento, um corte?
É possível, em certos aspectos, mas não integralmente.
Marx, Nietzsche e Freud produziram grandes feridas no egocentrismo ocidental; determinaram profundas rupturas, mas nada de caráter total. Marx rompeu com uma série de conceitos relativos a propostas positivistas, todavia, propôs etapas superpostas, tal como o positivismo proclamara.

A dinâmica relacional conduz a sínteses imprevisíveis. Dentro do código maior, há muitos microcódigos de núcleos menores, dando lugar a resultantes inesperadas.

A verdade não é a verdade. É a versão da verdade que nós conhecemos.
A dúvida é muito mais importante que a certeza. A dúvida é dinâmica enquanto a enquanto a certeza congela.

A necessidade de indagar é constante e as respostas nem sempre vêm da ciência. Quando se perde a capacidade de indagar, perde-se a capacidade hominal.

Em última instância, o Homem é essa travessia.

Nota: Este post assim como o anterior têm como finalidade homenagear a grande figura de
mestra que conheci na Profª Valderez, da FACHA, com quem tive a oportunidade de fazer um breve curso (livre) de Antropologia, em 1988/89. Os conceitos por ela transmitidos guiaram-me na exposição desses últimos trechos aqui apresentados. Dedicada e eficiente, abriu-me prismas novos para a busca de conhecimento do homem em si e suas relações como mundo que o cerca.

***************

Um poema de Murilo Mendes:

O RITO HUMANO

Pelas curvas da tarde vem surgindo
A inefável palavra Agnus Dei.
Ouço balidos pelo mundo inteiro;
Matam o cordeiro branco redentor.

As armas do futuro desenhadas
Vejo no espaço, túmulos abertos:
Os balidos rebentam das gargantas
Até dos que inda estão para nascer.

De variadas maneiras matam o homem.
Matam a pureza, a paz, a liberdade,
Pelo cutelo, a bomba, a guilhotina,

Pelo silêncio, a fome, a solidão.
Fecha o leque de plumas o Oriente,
Abre o Ocidente o tanque de terror.

publicado por Magaly Magalhães às 5:16 PM
20.9.04
 
Philosopher in Meditation OilPainting /Rembrandt
http://www.wholesaleoilpainting.com




Animals / http://www.wholesaleoilpainting.com



CONSIDERAÇÕES SOBRE O HOMEM COMO SER SIMBÓLICO

Não há sociedade à qual não se atribua uma organização transcendental. É próprio do homem questionar sobre si mesmo, pensar-se. As religiões constituem uma dessas formas de indagação.
O homem não criou o sagrado por medo dos fenômenos da Natureza, como se costumava afirmar, e sim porque precisava estabelecer os seus limites e os dos outros seres. O sagrado derivou da consciência de que o homem é um ser diferente dos demais seres da Natureza, o que equivale a dizer que o sagrado tem a idade do homem.
O pensamento mágico (não confundir sagrado com magia) corresponde ao interesse que o cientista hoje sente diante do que ainda não descobriu, ou seja, a busca do mágico corresponde à pesquisa científica.
Que se faça bem a diferença:
Religião é a busca do sagrado, da transcendência (verdade maior). Magia é o anseio de desvendar o incognoscível (com vistas em resultados práticos).
Numa crítica rápida, podemos dizer que nenhuma sociedade usou tanto o pensamento mágico como a do século XX e começo do século XXI, o que significa que nunca estivemos tão imersos no imaginário como no presente. Realmente, toda sociedade em processo de desestruturação usa e abusa do mágico. Não dos mitos antigos, mas de um esquema imaginário que atenue as dificuldades do real e aja sobre seus membros no sentido de impedir que eles exijam a queda do sistema.
Ao considerarmos o pensamento filosófico, vamos encontrar na base de todas as filosofias o trinômio: Ser - Valorar - Conhecer. O homem ocidental, porém, sempre teve a pretensão de achar-se o único com capacidade de organizar seu pensamento lógico. negar aquilo que não veio a conhecer por si mesmo. Por exemplo, se o europeu não conhecia, digamos, o ferro, isso o levava a crer que nenhuma outra sociedade pudesse ter conhecido o metal anteriormente. Infelizmente, para prejuízo de todas as sociedades, registrou-se a destruição de acervos culturais, como o da valiosa Biblioteca de Alexandria ; como o extraordinário acervo dos Maias (inscrições em pequenas tábuas: as pintadas de amarelo versavam sobre matemática e geometria; as vermelhas, sobre filosofia; as azuis, sobre partituras).
Os filósofos gregos consideravam o homem através da dicotomia corpo X alma. Já o oriental jamais analisou o homem por essa ótica, considerando sempre a fusão do corpo e da alma. Isto se depreende do pouco do documentário que não foi destruído pelo fogo em Alexandria. Da visão africana sabemos ainda menos, tendo em vista que a África foi um continente arrasado, escravizado durante longo tempo.
Os filósofos escolásticos acreditavam na autonomia do homem, uma vez que este fora feito à imagem e semelhança de Deus.
Não foi agradável para o homem ocidental descobrir que a condição de homem só é possível dentro de um contexto cultural; fora desse contexto, ele é incapaz de se posicionar.
Para ilustrar o conceito, existem cinco casos de crianças que foram criadas por animais. Tais crianças adquiriram o comportamento dos animais que as criaram e não tiveram condição de se socializarem posteriormente, quando resgatadas para o convívio humano. Nos cinco casos, as criaturas vieram a morrer em pouco tempo sem lograrem responder positivamente a qualquer tentativa de condicionamento à vida humana. E só em um desses casos ficou evidenciado um caso de debilidade mental congênita.
Isto vem validar a teoria de que o homem só existe dentro do grupo social. O animal é programado geneticamente. Cada animal sabe o que comer, onde se esconder, como reagir ao perigo, como curar-se, como reproduzir-se. Cada animal é portador de um código genético. Um gato, por exemplo, pode ser amamentado por uma cadela, pode viver a vida toda entre cachorros e nem por isso vai deixar de portar-se como um gato, de miar, de lamber-se, de reagir como gato a qualquer estímulo externo. Recentes pesquisas feitas sobre o código genético dos animais tendem a considerar que certos animais, como elefantes, golfinhos e algumas espécies de macacos dão sinais de que se comunicam, de que têm uma linguagem própria. Aguardemos o avanço desses estudos.
Voltando ao homem, este, sim, não prescinde do grupo, de suas regras, de seus símbolos.
Pode ser uma metáfora a interpretação da perda do paraíso como um corte, uma suspensão: o homem perdeu a capacidade de ser *natureza*, de ter um código genético, de portar a *inconsciência animal* para existir inteligentemente, submetido a normas e regras, para viver dentro de símbolos.
Todas as culturas são dinâmicas. Mudam porque o homem tem tendência a rejeitar os signos com os quais lida (embora nem sempre a mudança signifique evolução). Novos signos substituirão os anteriores num sistema novo.
Ao homem pode-se atribuir toda dualidade: sagrado X profano, bom X mau, grande X pequeno, puro X impuro, sempre dentro de códigos, mas sempre em sociedade, nunca isolado. Sozinho, o homem marginaliza-se.
Nossa verdadeira natureza é simbólica.


publicado por Magaly Magalhães às 11:38 PM
14.9.04
 
Gravura digital por Flávia Magalhães



Hoje apareço aqui trazendo na alma uma carga de saudade avassaladora. Faz 1 ano que meu Estevão se foi. É verdade que o tempo reduziu o abalo sofrido, atenuou o trauma da separação, devolveu-me às atividades normais. Permanece só essa saudade doída, inextinguível, razão por que vim abrigar-me à sombra da estima de vocês.
Trago um poema dedicado a ele. Volto daqui a uns dias, menos tensa.


ELEGIA

(A Estêvão)


Pensar em morte, por quê?
Seria incidente para fim de vida.
Eis que ela me atinge de chofre:
arranca-me o rebento pela (adulta) raiz.


Homem-menino, tanta a sua candura!
Estrela da criançada, emblema da alegria!
Que é deste Pardal de vôo ambíguo
tecendo ponte entre pretérito e porvir?


Agonizo aqui de dor e saudade:
morte que cauteriza sonhos,
morte que neutraliza vidas.
*Morte que separa homem&sombra*


Elaborá-la é ato de força e coragem.
Resta-me a crença de que um Deus
onividente, onisciente e justo está a
gerir esse nosso insondável destino.


14 / 09 / 2004
RIO


publicado por Magaly Magalhães às 12:30 PM
8.9.04
 

*
Contos e cantos populares

publicado por Magaly Magalhães às 11:06 PM

 
A imagem referente ao post Contos e Cantos Populares é um óleo sobre tela intitulado PAISAGEM RURAL, de Anita Malfatti (século XX, década de 20.)

publicado por Magaly Magalhães às 10:00 PM
6.9.04
 

CONTOS E CANTOS POPULARES

Contos populares são contos com funções definidas: de entretenimento e de educação. Muitos são os temas tratados nos contos populares: há os de exemplo, os de encantamento, os religiosos ou morais, os de animais, os que dizem respeito à fundação de um local, entre outros.

Como cantos populares conhecemos: acalantos, batuques, canções, modinhas, cirandas, trovas, lundus, rondas, as produções do ciclo junino e do natalino, as canções recolhidas da tradição oral e muitas outras modalidades.

Um conto popular:

A Cumbuca de Ouro e os Marimbondos

Havia dois homens, um rico e outro pobre, que gostavam de fazer peças um ao outro. Foi o compadre pobre à casa do rico pedir um pedaço de terra para fazer uma roça. O rico, para fazer peça ao outro, lhe deu a pior terra que tinha. Logo que o pobre teve o sim, foi para casa dizer à mulher, e foram ambos ver o terreno. Chegando lá nas matas, o marido viu uma cumbuca de ouro, e, como era em terras do compadre rico, o pobre não a quis levar para casa, e foi dizer ao outro que em suas matas havia aquela riqueza. O rico ficou logo todo agitado e não quis que o compadre trabalhasse mais nas suas terras. Quando o pobre se retirou, o outro largou-se com a sua mulher para as matas a ver a grande riqueza. Chegado lá, o que achou foi uma grande casa de marimbondos; meteu-a numa mochila e tomou o caminho do mocambo do pobre, e logo que o avistou foi gritando:*Ó compadre, fecha as portas e deixa somente uma banda da janela aberta!* O compadre assim fez, e o rico, chegando perto da janela, atirou a casa de marimbondos dentro da casa do amigo, e gritou: *Fecha a janela, compadre!* Mas os marimbondos bateram no chão, transformaram-se em moedas de ouro, e o pobre chamou a mulher e os filhos para as ajuntar. O ricaço gritava então: *Ó compadre, abra a porta!* Ao que o outro respondia: *Deixe-me, que os marimbondos estão-me matando!* E assim ficou o pobre rico, e o rico ridículo.

(SÍLVIO ROMERO / Contos Populares do Brasil / 3ª ed / Rio de Janeiro, 1903, pág. 248.)


Um canto popular

Trovas Brasileiras

No lugar aonde eu canto
Todos me tiram o chapéu;
Cada repente que tiro,
Corre uma estrela no céu

- Dizem que mulher é falsa,
É falsa que nem papel,
Mas quem vendeu Jesus Cristo
Foi homem, não foi mulher...

Não tenho medo de homem,
Nem do ronco que ele tem;
O besouro também ronca,
Vai-se ver, não é ninguém.

Chuva que tem de chover,
Por que é que está peneirando?
Amor que tem de ser meu
Por que está negaceando?

Andorinha do coqueiro,
Dá-me novas do meu bem...
Os meus olhos estão cansados
De esperar por quem não vem.

Lá vai a garça voando
Com penas que Deus lhe deu.
Contando pena por pena,
Mais penas padeço eu.

(AFRÂNIO PEIXOTO / Trovas Brasileiras / Rio de Janeiro, 1919.)

publicado por Magaly Magalhães às 11:20 PM