Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










28.8.04
 
O Casamento / Tarsila do Amaral
http://www.pinturabrasileira.com




Será que vocês curtem poesia social como eu? Acho-as charmosas em seu despojamento.
Aqui estão duas delas, de renomados poetas da última fase do movimento modernista.

Meu povo, meu poema

Meu povo e meu poema crescem juntos
como cresce no fruto
a árvore nova

No povo meu poema vai nascendo
como no canavial
nasce verde o açúcar

No povo meu poema está maduro
como o sol
na garganta do futuro

Meu povo em meu poema
se reflete
como a espiga se funde em terra fértil

Ao povo seu poema aqui devolvo
menos como quem canta
do que planta

Ferreira Gullar


Madrugada camponesa

Madrugada camponesa,
faz escuro ainda no chão,
mas é preciso plantar.
A noite já foi mais noite,
a manhã já vai chegar.

Não vale mais a canção
feita de medo e arremedo
para enganar solidão.
Agora vale a verdade
cantada simples e sempre,
agora vale a alegria
Que se constrói dia a dia
Feita de canto e de pão

Breve há de ser (sinto no ar)
tempo de trigo maduro.
Vai ser tempo de ceifar.
Já se levantam prodígios,
chuva azul no milharal,
estala em flor o feijão,
um leite novo minando
no meu longe seringal.

Já é quase tempo de amor.
Colho um sol que arde no chão,
lavro a luz dentro da cana
minha alma no seu pendão.
Madrugada camponesa.
Faz escuro (já nem tanto),
vale a pena trabalhar.
Faz escuro mas eu canto
porque a manhã vai chegar

Tiago de Melo

Concordam comigo?

Notas sobre o advento da poesia social no Brasil:

Com a decadência do regime monárquico no Brasil surge a Poesia Social. É a fase final do Romantismo que transcorre num ambiente de transformações econômicas, políticas e sociais: luta abolicionista, guerra do Paraguai, ideal republicano.
É a vez da poesia social de Castro Alves, o tempo da geração condoreira, influenciada pela poesia política e social de Victor Hugo. O termo condoreirismo remete a condor, ave que habita o alto da Cordilheira dos Andes e que funciona para os jovens poetas românticos como símbolo da liberdade. Condoreiros também: Tobias Barreto e Souza Andrade
Ao Romantismo sucede o Realismo e a poesia entra na fase parnasiana com seu culto à forma, dentro da corrente realista, estendendo-se até a Semana da Arte Moderna, 1922. O Simbolismo acontece como tendência refletindo um momento complexo que é a transição para o século XX e a definição de um novo mundo.
Começa a delinear-se o Movimento Modernista. As primeiras produções modernistas são contemporâneas da primeira guerra mundial (1914) e da revolução russa (1917).
O Modernismo, como tendência literária ou estilo de época, teve seu prenúncio com a realização da Semana de Arte Moderna, no Teatro Municipal de São Paulo, nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro de 1922. Idealizada por um grupo de artistas, pretende colocar a cultura brasileira a par das correntes de vanguarda do pensamento europeu, pregando ao mesmo tempo a tomada de consciência da realidade brasileira. Trata-se de um movimento não só artístico; é um movimento político e social. E, como tal, faz vicejar a poesia de caráter social.
O período de 22 a 30 é turbulento, como resultado da busca de definições com o rompimento de todas as estruturas do passado. Daí o feitio anárquico desta primeira fase do modernismo. Nomes importantes desse período, como Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Manuel Bandeira e mais Cassiano Ricardo, Menotti Del Picchia, Guilherme de Azevedo continuam a produzir nas décadas seguintes.
A segunda fase, de 30 a 45, exibe a estréia de nomes altamente significativos na poesia, como Murilo Mendes, Jorge de Lima, Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meireles e Vinicius de Moraes.
A poesia social tem nessa safra de poetas uma inestimável contribuição, do mesmo modo que recebe vital força da Poesia Concreta, na qual se configura um conceito de técnica como trabalho social.
Na produção contemporânea, sente-se do mesmo modo a preocupação com a manutenção da temática social. Permanecem nomes consagrados, como Carlos Drummond de Andrade, mais pilares como João Cabral de Melo Neto, Ferreira Gullar, Thiago de Mello.



publicado por Magaly Magalhães às 11:47 PM
19.8.04
 
The Dance
Oil Painting - Henry Matisse

Quem não conhece a bela e ingênua música de JAYME OVALLE?

Ovalle "é o poeta em estado virgem. A mais bela crisálida de poesia que jamais existiu desde William Blake. É o mistério poético em toda a sua inocência, em toda a sua beleza natural. É vôo, é transcendência absoluta. É amor em estado de graça." (Sabino, Fernando. Fragmentos de uma suíte ovalliana. Jornal do Brasil., 15.07.1974.)

É dele a música que atravessou fronteiras e teve na voz de Bidu Sayão sua interpretação mais expressiva:

AZULÃO

Jayme Ovalle e Manoel Bandeira

Vai azulão, azulão

Companheiro, vai

Vai ver minha ingrata

Diz que sem ela

O sertão não é mais sertão

Ai, voa azulão

Vai contar companheiro, vai


Ovalle era uma personalidade singular. Suas conversas distinguiam-se pelo humor, pela poesia e pela religiosidade. Seu lado místico causava espécie a seus amigos, pois ele assegurava que conversava com os anjos. De fato, era comum vê-lo aos brados a discutir com seu anjo da guarda.
Ovalle lançou mão de temas religiosos e folclóricos para compor Berimbau, Três pontos de Santo, Chariô, Aruanda e Estrela do Mar.

A obra Azulão trouxe-lhe grande notoriedade. Inspirado no poema de Manuel Bandeira, Ovalle compôs esta canção em que melodia e letra refletem um lirismo acentuadamente brasileiro.
Bidu Sayão divulgou a canção nos Estados Unidos e na Europa, alcançando enorme popularidade.

Jayme Ovalle nasceu no dia 5 de agosto de 1894, em Belém do Pará, tendo fixado residência no Rio de Janeiro em 1914.
Costumava dizer:"Nasci no Pará, mas sou carioca, ou seja, um sujeito nascido no Espírito Santo ou em Belém do Pará, ou em Campina Grande." (O Estado de São Paulo. A música de Jayme Ovalle. 14.09.1980,p 11.).

Jayme Ovalle faleceu no dia 9 de setembro de 1955, no Rio de Janeiro

"Que um dia afinal seremos vizinhos

Conversaremos longamente

De sepultura a sepultura

No silêncio das madrugadas

Quando o orvalho pingar sem ruído

E o luar for uma coisa só."

(De Manuel Bandeira para Jayme Ovalle)

* * * * * * * * * *


Tocada pela cândida melodia de Azulão, sobreveio-me a saudade das cantigas de roda de minha infância. Lembrei-me de que tenho o CD das 16 cirandas, de Villa-Lobos, executadas pelo eloqüente pianista Arthur Moreira Lima. Estou agora a me deleitar com tão saborosas melodias e não vou me furtar ao prazer de mandá-las pra vocês, pelo menos aquelas de que mais gosto:

O Cravo e a Rosa

O Cravo brigou com a rosa

Debaixo de uma sacada

O Cravo ficou ferido

E a Rosa despedaçada

O Cravo ficou doente

A Rosa foi visitar

O Cravo teve um desmaio

A Rosa pôs-se a chorar


Peixe Vivo

Como pode o peixe vivo

Viver fora da água fria

Como poderei viver

Como poderei viver

Sem a tua, sem a tua

Sem a tua companhia

Os pastores desta aldeia

Já me fazem zombaria

Por me verem assim chorando

Sem a tua, sem a tua

Sem a tua companhia


Nesta Rua

Nesta rua, nesta rua, tem um bosque

Que se chama, que se chama Solidão

Dentro dele, dentro dele mora um anjo

Que roubou, que roubou meu coração

Se eu roubei, se eu roubei teu coração

É porque tu roubaste o meu também

Se eu roubei, se eu roubei teu coração

É porque eu te quero tanto bem

Se esta rua, se esta rua fosse minha

Eu mandava, eu mandava ladrilhar

Com pedrinhas, com pedrinhas de brilhante

Para o meu, para o meu amor passar.

Este post é dedicado à nossa companheira Meg , conterrânea de Jayme Ovalle, e, certamente apreciadora das melodiosas cantigas de roda.



publicado por Magaly Magalhães às 11:34 PM
12.8.04
 
Pena! Vou ficar devendo as imagens que escolhi para hoje. O Blogger Status esclarece que, por ora, há uma passageira dificuldade na aposição de imagens. Pretendo colocá-las assim que o serviço for liberado.


A uma amiga que se desvelou para mim hoje e que me deixou nutrida de afeto e carinho.
Trocávamos comentários. Fui atraída pelo texto maduro, revelador de um espírito criativo, de uma personalidade forte, de um jeito disciplinado e seguro. Ela estava sempre por perto. Respondia-me, trocávamos idéias. Ensinou-me muitas coisas!
Entre algumas descobertas de afinidades, Murilo Mendes surge como uma preferência insuspeitada. Estava delineado o sentimento de amizade espontânea e recíproca.
Obrigada, Helô. Murilo acabou de chegar referendando nossa amizade.
Abri o livro com pressa. Pressa? Pra ler sobre Murilo? E por Fernando Fábio Fiorese Furtado, o escritor cujo nome já é em si uma aliteração?
Nunca havia lido, Helô, uma dedicatória tão bonita e sonora e poética. Nem agradecimentos e homenagens tão bem compostos. Isto significa que F.F.F.F. promete deixar-me ligada na leitura, sem apelativo.
Obrigada de novo, amiga. Foi uma grande emoção!


* * * * * *

Viram como nossa querida *figurante* Meg saiu-se bem na entrevista ao escritor angolano José Eduardo Agualusa, na coluna do Gravatá, no Informática Etc desta segunda-feira?
A entrevista está perfeita, as perguntas dos entrevistadores (Meg, Daniela Abade, Ana Maria Gonçalves e Alexandre Inagaki) muito bem elaboradas, as respostas do entrevistado muito bem urdidas. E Gravatá lavra mais um tento, minha gente!


Por outro lado, o lançamento de Todas as Festas Felizes Demais, de Fábio Danesi Rossi deve ter mobilizado muita gente ontem, em São Paulo.
Meg fez um post excelente sobre a matéria, muito esclarecedor. Imperdível! Vejam lá no Subrosa.


Ontem também, ocorreu a abertura de uma nova exposição do nosso apreciado artista Dudi Maia Rosa , com 14 peças inéditas, no Centro Cultural de São Paulo, rua Vergueiro, 1000 / Paraíso / São Paulo. Quem tiver condição não deve perder mais esta oportunidade.


Finalmente, um dado sentimental, passado em branco, infelizmente: o aniversário de nascimento de Haroldo Maranhão, no dia 7 pp. Não pude comparecer aqui, ao blog, para prestar-lhe uma homenagem, que lhe rendo agora, tardiamente. Ele está agora entre ícones da literatura, como Mário Faustino, Cecília Meireles e outros, seus contemporâneos.


* * * * * *


POEMA DE ALÉM-TÚMULO

Murilo Mendes

Deste horizonte estável
Vejo homens e bichos combatendo
Ao mesmo tempo pela guerra e pela paz,
Vejo campos de sangue e ossadas,
Faixas de terror:
Mas vejo essencialmente uma coisa branca,
Um castelo branco e simples
Feito de um só diamante
Que da terra não se vê.


CaminhoTchibum
Juiz de Fora / MG


publicado por Magaly Magalhães às 10:00 PM
5.8.04
 
HENRY CARTIER-BRESSON









http://www.photology.com/bresson


HOMENAGEM

Nasce em Chanteloupe, na França, em 1908, Henry Cartier-Bresson, aquele que seria o gênio da fotografia contemporânea e que acaba de falecer há dois dias, aos noventa e cinco anos de profícua existência.
Sua habilidade em apanhar o instante azado de clicar, sua capacidade visual exercitada no desenho por longo tempo, seu preparo em pintura, seu método disciplinado de trabalhar, mais seus ensaios sobre teoria e prática de fotografia transformam-no na figura mais brilhante entre os fotojornalistas contemporâneos.
Para ele, as coisas insignificantes podem constituir grandes temas de trabalho. Sua obra é uma coleção desses mínimos detalhes humanos, as coisas como soem ser na realidade imediata.
A verdade é que, com Henri Cartier-Bresson, o *snap shooting* eleva-se ao nível de uma refinada e disciplinada arte.


* * * * *


Voltemos aos minicontos. Há novidades boas a contar.
Lembram-se do Dauro Veras? Semifinalista do Concurso de Narrativas Breves Haroldo Maranhão? Já tive oportunidade de transcrever aqui uns microcontos de sua autoria, muito interessantes, aliás, e que tiveram ótima receptividade. Pois bem, essas últimas notícias de morte serviram de leitmotif para outras produções do talentoso jornalista catarinense. Eis um de seus novos contos breves:

PRESENÇA

As cinzas de seu pai haviam sido espalhadas na praia deserta. Um mês depois ela voltou ao lugar. Sentou-se sobre uma pedra em frente ao oceano e respirou fundo. O ar da manhã, com odor de mar e orvalho, acariciou seus pulmões. Sentiu um arrepio bom na nuca e um levíssimo afago na testa. Sorriu. Não tinha espelho, mas sabia-se com covinhas no rosto, igual a ele. Sabia-se amada. Espreguiçou, caminhou poderosa até o carro e foi tomar um café expresso com pão de queijo.


* * * * * * *


Um poema (o meu preferido) de Murilo Mendes:

NATUREZA

Contempla estas montanhas lavadas
E a luz que desce em oblíqua dança.
Tudo chega de um modo antiqüíssimo
Onde encontraremos pedaços desajustados de fotografias:
Recortes de pensamentos visuais
E um amor que não quer colaborar com a morte
-Vasto pássaro bicando as montanhas lavadas.

Do livro Murilo Mendes Melhores Poemas / Editora Global


publicado por Magaly Magalhães às 2:09 PM
1.8.04
 
DUDI MAIA ROSA

Dudi/Exposição

Dudi está expondo em São Paulo. Pena que não posso deslocar-me para lá agora. Tão perto São Paulo do Rio, mas não dá. Gostaria de homenageá-lo no local da exposição. Mesmo de longe, vai meu desejo de que tudo saia perfeito, como já tem ocorrido tantas vezes.
Nas obras de Dudi, o ponto de máxima atração para a minha sensibilidade é a cor. Ele consegue matizes insuspeitados que são um presente para os olhos. Suas aquarelas exibem esses tons singulares que as tornam, além de atraentes, encantatórias.
Boa sorte, Dudi!

* * *

César, posso apanhar seus haicais para o meu post, pois não? São tão inspirados!

HAICAI SIAMÊS

O que se pode fazer
Se eles são siameses
O amar e o sofrer?


HAICAI DE QUEM AMO

Eu sei que amo você
Porque sei o quanto dói
Em mim esse seu sofrer


E os versos limpos, César? Deixe-me abusar de sua generosidade. São uma graça!

VERSO LIMPO 1

Você diz
O que eu penso
Eu dispenso
O que você diz
Quem mandou
Fazer assim
Falar o que penso
Antes de mim?


VERSO LIMPO 9

Um sim
Tão vão
Assim
É não

Encontrados no livro Wunderblog.com / Editora Barracuda/ São Paulo e constantes do espaço PRO TENSÃO /César Miranda


* * *

Não posso calar:
A dor que tomou conta de toda a gente com a notícia da morte do jovem e competente jornalista Fernando Villela, o Fervil, num assalto de rua, já tão comum, mas sempre inaceitável, cruel, desumano
À família Villela, nossas condolências, os sentimentos do mundo blogueiro.

publicado por Magaly Magalhães às 11:05 AM