Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










28.8.04
 
O Casamento / Tarsila do Amaral
http://www.pinturabrasileira.com




Será que vocês curtem poesia social como eu? Acho-as charmosas em seu despojamento.
Aqui estão duas delas, de renomados poetas da última fase do movimento modernista.

Meu povo, meu poema

Meu povo e meu poema crescem juntos
como cresce no fruto
a árvore nova

No povo meu poema vai nascendo
como no canavial
nasce verde o açúcar

No povo meu poema está maduro
como o sol
na garganta do futuro

Meu povo em meu poema
se reflete
como a espiga se funde em terra fértil

Ao povo seu poema aqui devolvo
menos como quem canta
do que planta

Ferreira Gullar


Madrugada camponesa

Madrugada camponesa,
faz escuro ainda no chão,
mas é preciso plantar.
A noite já foi mais noite,
a manhã já vai chegar.

Não vale mais a canção
feita de medo e arremedo
para enganar solidão.
Agora vale a verdade
cantada simples e sempre,
agora vale a alegria
Que se constrói dia a dia
Feita de canto e de pão

Breve há de ser (sinto no ar)
tempo de trigo maduro.
Vai ser tempo de ceifar.
Já se levantam prodígios,
chuva azul no milharal,
estala em flor o feijão,
um leite novo minando
no meu longe seringal.

Já é quase tempo de amor.
Colho um sol que arde no chão,
lavro a luz dentro da cana
minha alma no seu pendão.
Madrugada camponesa.
Faz escuro (já nem tanto),
vale a pena trabalhar.
Faz escuro mas eu canto
porque a manhã vai chegar

Tiago de Melo

Concordam comigo?

Notas sobre o advento da poesia social no Brasil:

Com a decadência do regime monárquico no Brasil surge a Poesia Social. É a fase final do Romantismo que transcorre num ambiente de transformações econômicas, políticas e sociais: luta abolicionista, guerra do Paraguai, ideal republicano.
É a vez da poesia social de Castro Alves, o tempo da geração condoreira, influenciada pela poesia política e social de Victor Hugo. O termo condoreirismo remete a condor, ave que habita o alto da Cordilheira dos Andes e que funciona para os jovens poetas românticos como símbolo da liberdade. Condoreiros também: Tobias Barreto e Souza Andrade
Ao Romantismo sucede o Realismo e a poesia entra na fase parnasiana com seu culto à forma, dentro da corrente realista, estendendo-se até a Semana da Arte Moderna, 1922. O Simbolismo acontece como tendência refletindo um momento complexo que é a transição para o século XX e a definição de um novo mundo.
Começa a delinear-se o Movimento Modernista. As primeiras produções modernistas são contemporâneas da primeira guerra mundial (1914) e da revolução russa (1917).
O Modernismo, como tendência literária ou estilo de época, teve seu prenúncio com a realização da Semana de Arte Moderna, no Teatro Municipal de São Paulo, nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro de 1922. Idealizada por um grupo de artistas, pretende colocar a cultura brasileira a par das correntes de vanguarda do pensamento europeu, pregando ao mesmo tempo a tomada de consciência da realidade brasileira. Trata-se de um movimento não só artístico; é um movimento político e social. E, como tal, faz vicejar a poesia de caráter social.
O período de 22 a 30 é turbulento, como resultado da busca de definições com o rompimento de todas as estruturas do passado. Daí o feitio anárquico desta primeira fase do modernismo. Nomes importantes desse período, como Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Manuel Bandeira e mais Cassiano Ricardo, Menotti Del Picchia, Guilherme de Azevedo continuam a produzir nas décadas seguintes.
A segunda fase, de 30 a 45, exibe a estréia de nomes altamente significativos na poesia, como Murilo Mendes, Jorge de Lima, Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meireles e Vinicius de Moraes.
A poesia social tem nessa safra de poetas uma inestimável contribuição, do mesmo modo que recebe vital força da Poesia Concreta, na qual se configura um conceito de técnica como trabalho social.
Na produção contemporânea, sente-se do mesmo modo a preocupação com a manutenção da temática social. Permanecem nomes consagrados, como Carlos Drummond de Andrade, mais pilares como João Cabral de Melo Neto, Ferreira Gullar, Thiago de Mello.



publicado por Magaly Magalhães às 11:47 PM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário