Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










30.11.02
 
Visitando vocês rapidamente . Tempo curto. A poemas curtos, então. Idéias em espaços contidos. Versos soltos. Sentimentos em estado de predecolagem. "A liberdade ali, ó. Pega, pega! Deixa voar..."( Obrigada, Claudio / "Circulando")

POÉTICA
Augusto Massi

Algumas horas da minha vida.
A elegia do olho.
A contração do sagrado.
Têmpera, banho do sono
Penso na dignidade do contido.


ABERTURA
Carlito Azevedo

Desta janela
domou-se o infinito à esquadria:
desde além, aonde a púrpura sobre a serra
assoma como fumaça desatando-se da lenha,
até aqui, nesta flor quieta sobre o
parapeito - em cujas bordas se lêem
as primeiras deserções
da geometria.


A NOITE CLARA NO TETO
Felipe Nepomuceno

Horas não contêm
ausência ou intervalo.
A memória demora,
enquanto a noite clara no teto
ofusca desencontros,
sua janela aberta.


RESUMO DO DIA
Heitor Ferraz

Nenhum recado de morte
que sempre abala
tanto a família.
O mundo perplexo parou
e a vida
oblíqua
preferiu continuar traindo
sem matar ninguém.


E aí? Dei meu recado pela boca de poetas? Adoro-os. Com pouco, eles dizem mundos de sentimentos e paixões! Que nunca faltem poetas neste mundo de belezas e agonias.
Aé outro dia.






publicado por Magaly Magalhães às 10:32 AM
24.11.02
 
Vocês gostam da poesia de Guilherme de Almeida, certamente. Pois trago para vocês, hoje, um curioso poema de sua lavra. Acho que, na realidade, este trabalho (experimental?) apresenta uma particularidade na montagem das rimas. Não vou dizer nada para não tirar o gosto da descoberta. Leiam sentindo as rimas corridas e vamos ver se a impressão causada em vcs bate com a opinião crítica de Frederico Ozanam Pessoa de Barros, responsável pela seleção de textos, notas, estudos biográfico, crítico e histórico de "Literatura Comentada" (São Paulo: Abril Educação,1982)

A RUA DAS RIMAS

A rua que eu imagino, desde menino, para o meu destino pequenino
é uma rua de poeta, reta, quieta, discreta,
direita, estreita, bem feita, perfeita,
com pregões matinais de jornais, aventais nos portais, animais e varais nos quintais;
e acácias paralelas, todas elas belas, singelas amarelas,
douradas, descabeladas, debruçadas como namoradas para as calçadas;
e um passo, de espaço a espaço, no mormaço de aço, baço e lasso;
e algum piano, provinciano, quotidiano, desumano,
mas brando e brando, soltando, de vez em quando,
na luz rala de opala de uma sala uma escala clara que embala;
e, no ar de uma tarde que arde, o alarde das crianças do arrabalde;
e de noite, no ócio capadócio,
junto aos lampiões espiões, os bordões dos violões;
e a serenata ao luar de prata (Mulata ingrata que me mata...);
e depois o silêncio, o denso, o intenso, o imenso silêncio...

A rua que eu imagino, desde menino, para o meu destino pequenino
é uma rua qualquer onde desfolha um malmequer uma mulher que bem me quer;
é uma rua como todas as ruas, com suas duas calçadas nuas,
correndo paralelamente, como a sorte diferente de toda gente, para a frente,
para o infinito; mas uma rua que tem escrito um
nome bonito, bendito, que sempre repito
e que rima com mocidade, liberdade, tranqüilidade :
RUA DA FELICIDADE...


Então? Qual a sensação obtida? A nota marcante na construção desta poesia sem métrica é a constância da rima, dando a prova de que a rima por si só pode produzir ritmo e musicalidade. Pertence ao livro "Você" (1931), "um incompreendido show de virtuosismo técnico."
Não foi sem motivo que Guilherme de Almeida ( 1890 /1969) foi eleito Príncipe dos Poetas Brasileiros (1959)

Até o próximo encontro.





publicado por Magaly Magalhães às 11:20 PM
21.11.02
 
Aqui, com todo entusiasmo por estar com vocês.
E o temporal de verão ainda na primavera? Gente! Foi de amedrontar. Não sei se foi por ter caído de madrugada, mas tive a impressão de que nunca ouvira estrondos tão grandes durante uma trovoada. E o raio insólito que apagou o Cristo Redentor?! E os estragos nas ruas alagadas, casas inundadas, árvores e postes caídos, isso não considerando o horror das pessoas que moram nas ruas e não têm como se abrigar convenientemente? Ainda bem que não houve registro de pessoas feridas ou mortas.

Hoje, como se comemora a significativa presença negra em nossa estrutura racial, fui buscar no acervo literário de Jorge de Lima, o poeta da cidade alagoana de União dos Palmares, a poesia que recorda a sua feliz e cristã infância. Sua primeira visita à Serra da Barriga, aos oito anos, foi marcada por um incômodo incidente - " a pequena comitiva se perdeu na espessa mata que envolve o antigo reduto dos Quilombos.Tiveram de dormir na casa rústica de um lavrador e só no dia seguinte, por um cortado de burros, foram levados até o topo da montanha". O imenso panorama deixava ver ..."o rio Mundaú, que, segundo a lenda, nascera das lágrimas de Jurema, de um lado a serra dos Macacos, do outro lado a planície do Jatobá, os campos verdes da Terra-Cavada, o fundão, a Tobiba, os banguês, a Great Western, as olarias; e lá longe a igreja..."

"Serra da Barriga, buchuda, redonda,
do jeito de mama, de anca, de ventre de negra!
Mundaú te lambeu! Mundaú te lambeu!
Cadê teus bumbuns, teus sambas, teus jongos?
Serra da Barriga,
Serra da Barriga, as tuas noites de mandinga
cheirando a maconha, cheirando a liamba?
Os teus meios-dias: tibum nos peraus!
Tibum nas lagoas!
"

União tinha mais ainda a oferecer a seu filho poeta. Tinha a magia de sua Tróia Negra, a epopéia dos Quilombos dos Palmares na Serra da Barriga." Local tão especialmente decantado pelo poeta alagoano.

O meu adeusinho de hoje. Até muito breve.

Nota - Escrevi no dia 20, já no final da noite, de modo que, ao postar, já tinha entrado no dia 21. Relevem a falta de pontualidade.


publicado por Magaly Magalhães às 1:34 AM
18.11.02
 
Voltando ao contato. Estou ficando viciada, sempre pensando em alguma coisa para passar pra vocês. E, na realidade, nem defini nada ainda: é mesmo vontade de estar com vocês todos que têm paciência de ler o que escrevo, o que transcrevo, o que sinto, o que me incomoda, o que me enleva.
Hoje, não me sai da cabeça aquele poema esmagador com que Cecília Meireles se despede do professor Heitor Grillo, seu segundo marido, no leito de morte. É triste, naturalmente, mas é de uma beleza tão transcendental que nunca é demais repetir este

CANTAR DE VERO AMOR
A Heitor Grillo

I
Assim aos poucos vai sendo levada
a tua Amiga, a tua Amada!
E assim de longe ouvirás a cantiga
da tua Amada, da tua Amiga.
Abrem-se os olhos - e é de sombra a estrada
para chegar-se à Amiga, à Amada!

Fechem-se os olhos - e eis a estrada antiga
A que levaria à Amada, à Amiga.

Se me encontrares novamente, nada
te faça esquecer a Amiga, a Amada!

Se te encontrar, pode ser que eu consiga
ser para sempre a Amada Amiga.


II
E assim aos poucos vai sendo levada
a tua Amiga, a tua Amada!

E talvez apenas uma estrelinha siga
a tua Amada, a tua Amiga.

Para muito longe vai sendo levada,
desfigurada e transfigurada.

Sem que ela mesma já não consiga
dizer que era a tua profunda Amiga.

Sem que possa ouvir o que tua alma brade:
que era a tua Amiga e que era a tua Amada.

Ah! do que disse nada mais se diga.
Vai-se a tua Amada - vai-se a tua Amiga!

Ah! do que era tanto, não resta mais nada...
Mas houve essa Amiga! Mas houve essa amada!

São Paulo, janeiro, 1964.

Viram só? Como se tira do pungente, do dolorido tamanha beleza e transcendência? Como pôde Cecília tirar do extremo da dor essa dimensão do adeus à vida e ao ser amado?

Desculpem-me os arroubos de admiração, mas Cecília soube, como ninguém, dar densidade em dose exata a seus sentimentos.

Um abraço e até outro dia.







publicado por Magaly Magalhães às 12:58 AM
16.11.02
 
Desculpem-me, amigos, um errinho de digitação : no penúltimo verso da terceira estrofe, leiam "Retraio-me".
Já ia repetir um outro senão - Saí do post sem um adeusinho. Relevem, estou abraçando vocês agora, com muita simpatia. Até o próximo post.

publicado por Magaly Magalhães às 12:05 AM
15.11.02
 
Como estão meus amiguinhos? Hoje estou alegre. Nem sei se tenho motivos concretos para este estado de espírito, mas não vem ao caso, estou leve e pronto. Aliás, a julgar pelas notícias esdrúxulas que temos tido pelos jornais, até me acanho de estar em paz com a vida.Que crimes! De abalar os céus! Que está acontecendo com nossos códigos de ética? Com nossos valores de família? Com nossos jovens? E não se diga que é a miséria, como condição de vida, que fabrica tais desajustes. O crime tem saído de famílias abastadas ou, pelo menos, de famílias aparentemente estruturadas de classe média. E os valores religiosos? Ninguém desconhece o mandamento "Não matarás" e "Honrarás teu pai e tua mãe"! Perderam o significado, por acaso?
Infelizmente, esses crimes estão aí , acontecendo, desafiando nossa capacidade de construir uma sociedade sã, cooperativa, harmoniosa.


Lembram-se de que, uma vez, falei sobre uma amiga poeta que tem um irmão poeta e que ambos têm poesias lindas? Tenho um poema de cada um para vocês hoje. Vamos a eles.


INCÓGNITALêda Mello


Não é fácil
amar-te dentro dessas tuas gavetas,
em meio aos teus guardados.

Não é fácil
querer-te nas sombras e fantasmas
das tralhas do passado.

Fecha-te em teus esconderijos,
onde se ocultam histórias de outros amores.
E eu, feita de temores,
não ouso buscar-te.
Recolho-me
às minhas dúvidas,
Retraimo-me
às tuas incertezas.

Permaneces uma incógnita,
voltado para ti mesmo,
num mundo só teu.
Montando uma estrela errante,
cavalgas a solidão dos teus sonhos,
onde não cabem os meus sonhos,
de ser, em algum espaço no relógio do tempo,
a tua mais doce e bonita realidade...

Calo-me e sigo.
Sem perguntas.
Tu calas e ficas.
Sem respostas.
Montando estrelas, cavalgando sonhos...
Maquiando a face
das tuas incógnitas.


ROSA DA LEMBRANÇA
Luis Lêdo Motta Mello

Dou-lhe esta rosa que colhi, magoado,
no roseiral que juntos plantamos,
lá no cantão onde nós dois moramos,
entre as savanas do meu Lageado.

Doces momentos quando, lado a lado,
plantando as flores tanto amor juramos!
Beijos ardentes, quantos nós trocamos!...
Belo idílio tão cedo acabado.

Em poucos meses o roseiral querido
brotou belíssimo. Mas, como eu, perdido,
sentiu a falta de quem o plantou.

E esta rosa tão sublime e pura
sem os espinhos da divina jura
conta as saudades que você deixou...



__

publicado por Magaly Magalhães às 11:50 PM
10.11.02
 
Volto eu aqui. Não com a brevidade estimada, mas estou aqui, com vocês, para uma coversa domingueira. É, mas não com o ânimo que gostaria de exibir. Estou assim, meio dúbia, meio dividida, não sei definir. Sinto essa dualidade pela reação que tenho ao ler os que têm pontos de vista contrários aos meus. Não me sinto firme em meus argumentos, ora condescendendo ante os argumentos opostos, ora voltando com mais veemência às minhas próprias idéias. Essa ambivalência cansa um pouco.Tenho que alargar meus horizontes, é isso! E, para isso, o concurso de vocês bem que seria interessante. Lançamento de novos temas ou de temas discutidos, mas não esgotados; proposta de assuntos contendo possibilidade de debate; indicação de joguinhos inteligentes (nisso, eu afundaria; sou avessa a jogo e, portanto, carente desse tipo de inteligência investigadora); enfim, colocar este blog num nível palatável. Posso contar com a contribuição de vocês? Usem o "Comentar?" ou o "E-mail me" ou, simplesmente, mandem-me por qualquer via motes, ou mesmo trechos curtos, que prometo publicar aqui, neste sítio de posts.

Bem vamos amenizar, declamando poesias. Como ? Se me sinto tão pardoxal, hoje! Achei um jeito. Passo pra vocês meu poema intitulado :

PARADOXO

Sou ( ... ) a soma dos descaminhos
a contradição em progressso

Afonso Romano de Sant´Anna




Somos...

a mão que guia
a voz que orienta
o ombro que acolhe
o gesto que atende
a força que estimula
a calma que embala


ou...


a mão que paralisa
a voz que adultera
o ombro que se esquiva
o gesto que ameaça
a força que corrompe
a calma que abala


Contradição humana!
Há caminhos
e muitos descaminhos


Somos o somatório dessas posturas
empenho em crescer
crescer sem desempenho


Humano, “demasiadamente humano”,
resgatando o filósofo
voltando ao poeta.

Rio/2000

Então? Manifestem-se positiva ou negativamente. Sou toda ouvidos e aceitação.
Abraços. Até o proximo encontro.












publicado por Magaly Magalhães às 10:15 AM
6.11.02
 
Estou de volta. Demorei, mas apareci. Se alguém tem alguma receita para duplicar cotas de tempo, por favor, eu preciso muito desse recurso.Vivo às turras com o tempo que me ignora solenemente e não me deixa segurá-lo.
Vamos aos comentários antes que o tempo que tenho pra isso se evapore.

Estive lendo hoje, no Segundo Caderno de O Globo, que o grupo holandês Focus se apresenta hoje, no Canecão, trazido pelo Rio Art Rock Festival. Do grupo inicial, só atua hoje o cantor, flautista e tecladista Thijs van Leer, mas continua um grupo com as características iniciais, um conjunto de músicos progressivos, de formação clássica, cheios de energia e perfeccionismo.
Sucesso de 1971, "Hocus Pocus" ainda ressoa aos meus ouvidos como uma um som de grande impacto e competência musical. Acho que é uma boa conferir.

Vejo também, com surpresa, que o cerebral escritor José Saramago resolveu, em seu recentíssimo livro "O Homem Duplicado,"enfrentar o arquétipo do imaginário literário, como o fizeram Cotázar ("O Jogo da Amarelinha", "Casa Tomada") e Borges (
"Borges e Yo").
Dá uma curiosidade! Sim, porque ler Saramago é ter uma imensa aula de língua portuguesa, tanto no que se refere ao uso das palavras como à construção de frases, coisas que ele realiza com extrema maestria.

O poema de hoje? Querem? Não, não esqueci.

Soft Rain, High Grain

perdido entre pedras clássicas
me movo de novo
pelas aléias e aldeias

trago orquídeas mínimas,
um gosto, um clima,
perdido entre o erro e a rima

êxtases, ideogramas, essas minúcias
de pedra rara em ímã, no afã
de vê-la estilhaçar

(recluso entre palavras)
que se dissolvem como sal,
assim, ao menor sinal.

Rodrigo Garcia Lopes de "Esses Poetas" - Uma Antologia dos Anos 90 / Heloísa Buarque de Holanda

Até outro dia, com intervalo mais curto. Abraços.


publicado por Magaly Magalhães às 5:56 PM
1.11.02
 
A referência a CDA, como homenagem pelo seu centenário, teria terminado no post anterior, se não me tivesse caído nas mãos a Megazine de terça-feira 29/ 11, de O Globo que trazia o resultado do concurso Prêmio Jovem Drummond, na categoria melhor poema. Trata-se de Rafael da Silva Ferreira, de 21 anos, que cursa o 2º ano no Instituto de Educação Deputado Luiz Pinto, em Valença.
Como já disse anteriormente, não só os poetas tradicionais freqüentam meu blog; estão sempre aqui também os poetas novos, já reconhecidos pela crítica; os poetas que ainda procuram seu espaço e os aspirantes a poetas, ou seja, os que gostariam de ser poetas. Diante disso, trago aqui para vocês o Rafael, ganhador do Prêmio Jovem Drummond, com uma poesia leve, de ritmo marcado, doce e terna.

Águas Correntes

Águas correntes, divinos murmúrios,
Carregam consigo segredos infindos.
Rolando entre pedras as águas dos rios
Completam o encanto de dias bem-vindos.
Assim são levados pra longe, bem longe,
Os breves instantes de amor e ternura.
Assim são trazidos pra perto, bem perto
Momentos sagrados de sonho e candura.
Águas correntes, por que me comovem
Seus cânticos doces e seu deslizar?
Por que sinto paz olhando e ouvindo
Seu livre correr em busca do mar?
Parece que somos duas almas gêmeas
Que às vezes se encontram em algum lugar
Depois se separam e assim continuam
Você a correr e eu a sonhar?


Que tal? Aprovaram o novo poeta?
Opinem no "Comentar?" Posso esperar?
Abraços.

publicado por Magaly Magalhães às 11:35 PM

 
31de outubro, em verdade, o dia do CDA . 1902 - ano em que nasceu Drummond , o que seria um dos expoentes de nossa poesia.

"Doce fantasma, por que me visitas?
(...)Tua visita ardente me consola?
Tua visita ardente me desola
Tua visita, apenas uma esmola"
Trecho poético sobre o conhecimento amoroso transformado no desespero dos amores destruídos pelo Tempo.

"Fortuna, ó Glória, se evapora,
e a glória se esvanece, Glória
(...)
Há de restar, Glória - ossatura,
desfeita embora em linha espúria -
de modo, Glória, que a criatura,
morta, de amor ostente a fúria."
A poesia ligada aí à ilusão da glória e aos caprichos sem explicação da fortuna.

"Vive dando cabeçada.
navegou mares errados,
perdeu tudo que não tinha,
Amou a mulher difícil,
(...)
este, o triste cavaleiro
de tristíssima figura (...)"
Sentimento incômodo de ter tido no berço o Anjo Torto que o destinava a ser o desajeitado sem perdão pela vida toda. Na realidade, Quixote fazendo parte de sua temática sentimental.

"No coração da pedra uma palavra
estava escrita em ferro de linguagem
um juramento como só as pedras
sabem jurar, sozinhas na paisagem.
Que voz, como a da pedra, se levanta,
cor e som de hematita no meu peito,
e segue no teu rumo e te acompanha,
a dizer, sempre e sempre, o sempre amor?
O poeta voltaria neste poema a mencionar a "pedra".

E, assim, múltiplo, sentimento e eficiência a serviço de sua prodigiosa inspiração, logrou Drummond deixar -nos um belo legado em prosa e verso, enobrecendo nossa literatura.

Drummond merece, pela sua atuação no meio literário, todas as honras imagináveis.


Até mais, vocês, que me lêem tão complacentemente, um bom fim de semana.

Obs.: Queria ter postado ainda no dia 31, mas o tempo escorre pelas minhas mãos e haja trabalho para retê-lo, sem apelação!








publicado por Magaly Magalhães às 2:20 AM