Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










20.9.04
 
Philosopher in Meditation OilPainting /Rembrandt
http://www.wholesaleoilpainting.com




Animals / http://www.wholesaleoilpainting.com



CONSIDERAÇÕES SOBRE O HOMEM COMO SER SIMBÓLICO

Não há sociedade à qual não se atribua uma organização transcendental. É próprio do homem questionar sobre si mesmo, pensar-se. As religiões constituem uma dessas formas de indagação.
O homem não criou o sagrado por medo dos fenômenos da Natureza, como se costumava afirmar, e sim porque precisava estabelecer os seus limites e os dos outros seres. O sagrado derivou da consciência de que o homem é um ser diferente dos demais seres da Natureza, o que equivale a dizer que o sagrado tem a idade do homem.
O pensamento mágico (não confundir sagrado com magia) corresponde ao interesse que o cientista hoje sente diante do que ainda não descobriu, ou seja, a busca do mágico corresponde à pesquisa científica.
Que se faça bem a diferença:
Religião é a busca do sagrado, da transcendência (verdade maior). Magia é o anseio de desvendar o incognoscível (com vistas em resultados práticos).
Numa crítica rápida, podemos dizer que nenhuma sociedade usou tanto o pensamento mágico como a do século XX e começo do século XXI, o que significa que nunca estivemos tão imersos no imaginário como no presente. Realmente, toda sociedade em processo de desestruturação usa e abusa do mágico. Não dos mitos antigos, mas de um esquema imaginário que atenue as dificuldades do real e aja sobre seus membros no sentido de impedir que eles exijam a queda do sistema.
Ao considerarmos o pensamento filosófico, vamos encontrar na base de todas as filosofias o trinômio: Ser - Valorar - Conhecer. O homem ocidental, porém, sempre teve a pretensão de achar-se o único com capacidade de organizar seu pensamento lógico. negar aquilo que não veio a conhecer por si mesmo. Por exemplo, se o europeu não conhecia, digamos, o ferro, isso o levava a crer que nenhuma outra sociedade pudesse ter conhecido o metal anteriormente. Infelizmente, para prejuízo de todas as sociedades, registrou-se a destruição de acervos culturais, como o da valiosa Biblioteca de Alexandria ; como o extraordinário acervo dos Maias (inscrições em pequenas tábuas: as pintadas de amarelo versavam sobre matemática e geometria; as vermelhas, sobre filosofia; as azuis, sobre partituras).
Os filósofos gregos consideravam o homem através da dicotomia corpo X alma. Já o oriental jamais analisou o homem por essa ótica, considerando sempre a fusão do corpo e da alma. Isto se depreende do pouco do documentário que não foi destruído pelo fogo em Alexandria. Da visão africana sabemos ainda menos, tendo em vista que a África foi um continente arrasado, escravizado durante longo tempo.
Os filósofos escolásticos acreditavam na autonomia do homem, uma vez que este fora feito à imagem e semelhança de Deus.
Não foi agradável para o homem ocidental descobrir que a condição de homem só é possível dentro de um contexto cultural; fora desse contexto, ele é incapaz de se posicionar.
Para ilustrar o conceito, existem cinco casos de crianças que foram criadas por animais. Tais crianças adquiriram o comportamento dos animais que as criaram e não tiveram condição de se socializarem posteriormente, quando resgatadas para o convívio humano. Nos cinco casos, as criaturas vieram a morrer em pouco tempo sem lograrem responder positivamente a qualquer tentativa de condicionamento à vida humana. E só em um desses casos ficou evidenciado um caso de debilidade mental congênita.
Isto vem validar a teoria de que o homem só existe dentro do grupo social. O animal é programado geneticamente. Cada animal sabe o que comer, onde se esconder, como reagir ao perigo, como curar-se, como reproduzir-se. Cada animal é portador de um código genético. Um gato, por exemplo, pode ser amamentado por uma cadela, pode viver a vida toda entre cachorros e nem por isso vai deixar de portar-se como um gato, de miar, de lamber-se, de reagir como gato a qualquer estímulo externo. Recentes pesquisas feitas sobre o código genético dos animais tendem a considerar que certos animais, como elefantes, golfinhos e algumas espécies de macacos dão sinais de que se comunicam, de que têm uma linguagem própria. Aguardemos o avanço desses estudos.
Voltando ao homem, este, sim, não prescinde do grupo, de suas regras, de seus símbolos.
Pode ser uma metáfora a interpretação da perda do paraíso como um corte, uma suspensão: o homem perdeu a capacidade de ser *natureza*, de ter um código genético, de portar a *inconsciência animal* para existir inteligentemente, submetido a normas e regras, para viver dentro de símbolos.
Todas as culturas são dinâmicas. Mudam porque o homem tem tendência a rejeitar os signos com os quais lida (embora nem sempre a mudança signifique evolução). Novos signos substituirão os anteriores num sistema novo.
Ao homem pode-se atribuir toda dualidade: sagrado X profano, bom X mau, grande X pequeno, puro X impuro, sempre dentro de códigos, mas sempre em sociedade, nunca isolado. Sozinho, o homem marginaliza-se.
Nossa verdadeira natureza é simbólica.


publicado por Magaly Magalhães às 11:38 PM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário