Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










3.7.02
 
Passagem para o Além. Missão cumprida, Francisco Cândido Xavier retira-se da vida serenamente, do modo como viveu. Vida inteira dedicada a amparar os que precisavam de apoio espiritual, entregou-se igualmente ao serviço de divulgação da doutrina espírita que ele soube honrar e engrandecer. Do outro lado da vida, ele terá certamente uma recepção cheia de amor, do mesmo amor que ele soube tão bem espalhar entre seus irmãos aqui, na Terra. Que seu espírito, de onde estiver, continue espargindo sua luz radiosa em benefício de todos nós.
Paralelamente, a cidade se engalana para receber nossos heróis do futebol. Coincidente com o que ele costumava repetir quando falava de suas pretensões. Queria partir num dia de festa coletiva, em que a alegria fosse geral. Desejo cumprido. Deve ter partido muito feliz.


O que tenho hoje pra vocês? Cabe bem um poema leve como um dos sonetos de Florbela Espanca, esta poeta lusitana, que lida com forma, rima e ritmo de maneira mágica. Vejamos o seu


SER POETA

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!


É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de ouro e cetim...
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, pedidamente...
É seres alma e sangue e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda gente!


Não é lindo?
E como abri para esta bela lusitana, vou fazer mais um pouquinho. Vou deixar com vocês um pensamento pinçado de "Poemas Inconjuntos" de outro lusitano não menos festejado, Fernando Pessoa :

" O único mistério do Universo é o mais e não o menos.
Percebemos demais as cousas - eis o erro, a dúvida.
O que existe transcende para mim o que julgo que existe.
A Realidade é apenas real e não pensada."

Até mais, já é um bocado tarde. Hora de berço.



publicado por Magaly Magalhães às 3:25 AM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário