Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










20.8.02
 
Alô, alô! No ponto! para um blá-blá-blá ligeirinho. Ando assim apressada, sempre com um mundo de coisas a cobrir. Não reclamo;
pelo menos, a gente não sente a velhice chegar. De vez em quando, um susto! ...Diante do espelho... Mas o tempo não dá para
detalhes irrisórios. E a gente dá continuidade aos afazeres.
Falar de velhice, dá nisso --- regressão. Pois não é que dei um mergulho e fui parar na minha adolescência? e me lembrar do Pe.
Bechman, extraordinário professor de literatura portuguesa, que, um dia, surpreendeu a turma, ao pretender que cada aluno
apresentasse, como dever de casa, uma cantiga de amigo, de amor ou de escárnio (lição do dia). Essas foram as formas poéticas
mais antigas da língua portuguesa. Quase ensandeci e tudo o que pude produzir foi esta pérola:

Oi oj´eu cantar d´amor
en un fremoso virgel
una fremosa pastor
que ao parecer seu
nunca jamais lhe par vi
e porem dissi-lhe assi
Senhor, por vosso vou eu!

É necessário dizer que certas palavras, na época, não flexionavam no feminino; que podiam ser omitidos certos nomes, como ali,
no último verso, faltou "amor" na cantiga de amor! que "porem" significava "por isso".
Foi essa aí a minha primeira " produção poética"! Pode haver situação mais cômica?
Para amenizar, transcrevo uma real poesia da época, século XIV:

CANTIGA DE AMIGO
De Joan de Guilhade

Amigas,que deus uus ualha!
quando ucher meu amigo,
falade sempre hunh as outras
em quant el falar comigo:
ca muytas cousas diremus
que ante uos não diremos.

Sey eu que por falar migo
chegara el muy coytado,
e uos hideuus chegando
la todas par ess estrado;
ca muytas cousas diremus
que ante uos não diremos

Apud Mendes dos Remedios, História da Literatura portuguesa, Coimbra, 1950, 6ª edição.

São "flashes" da memória. Até o próximo encontro.

publicado por Magaly Magalhães às 2:20 AM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário