Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










28.8.02
 
>"Cidade de Deus" desmascara nossa crueldade
Este é o título da crônica de hoje do Segundo Caderno de O Globo. A palavra corajosa de Arnaldo Jabor fazendo eco ao grito de denúncia que é o filme "Cidade de Deus".
O cronista diz verdades que espantam e que doem, como podemos verificar em passagens como: "Enquanto a miséria era dócil, ninguém se preocupava com ela." "Os pobres pareciam não ter vida interior". "Mas a TV, a comunicação democratizante do consumo faz surgir uma massa miserável, mas desejante." "A indústria cultural estimulou o desejo, e a cocaína e o tráfico de armas trouxeram os meios para a sua possível realização."

Jabor continua seu libelo mostrando, energicamente, que não estamos preparados para resolver a tragédia social que nos atinge.

No filme, estão "visíveis todas as pistas de nosso caos que levam à sordidez das classes dominantes, às mentiras políticas, às falsas bondades, aos retóricos ideais nacionais."


E termina dizendo que" "Cidade de Deus" vai ser sucesso planetário e vai revelar para sempre nosso segredo: somos um dos países mais cruéis do mundo."


Que sufoco!



Urgente! Um poeminha, uma cantiga ( menos de ninar - é hora de reação, de ajuda, de compromisso por uma reestruturação social)
Cecília é doce e intimista. Recorramos a ela .

Canção do Caminho

Por aqui vou sem programa,
sem rumo,
sem nenhum itinerário.
O destino de quem ama
é vário,
como o trajeto do fumo.

Minha canção vai comigo,
Vai doce.
Tão sereno é o seu compasso
que penso em ti, meu amigo,
- Se fosse,
Em vez da canção, teu braço!

Ah! mas logo ali adiante
- tão perto! -
acaba-se a terra bela.
Para ests pequeno instante,
decerto,
é melhor ir só com ela.

(Isto são coisas que digo,
que invento,
para achar a vida boa...
A canção que vai comigo
é a forma de esquecimento
do sonho sonhado à toa...)

Cecília Meireles


Até outro post.




publicado por Magaly Magalhães às 1:10 AM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário