Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










23.9.02
 
Hora da surpresa!!! Com vocês, Ariano Suassuna, como poeta, sim, porque ele não foi só dramaturgo, como é mais conhecido. Ele foi também ficcionista, ensaísta, cronista, autor de músicas e balés em que retratava o espírito do sertanejo, a essência das coisas da terra. Paraibano, aos 15 anos, ao perder o pai, vítima de crime político, mudou-se para Recife acompanhando sua mãe e seus oito irmãos. Aí completou seus estudos fornando-se em Direito, aos 23 anos. Ainda estudante, já lançava sua primeira peça teatral - "Uma Mulher Vestida de Sol" (1947) - à qual veio juntar-se depois a mais conhecida de suas peças - o "Auto da Compadecida"(1956) - que veio a ser um marco na história do teatro brasileiro.
A poesia que lhes trago, é contribuição de minha amiga Lígia Pellon Bulhões, também apreciadora deste intelectual de índole e alma sertaneja, que faz questão de "colar sua arte no país e não na indústria cultural".
Vamos à poesia intitulada

A Mulher e o Reino
(Com tema do barroco brasileiro)


Ó Romã do pomar, relva, esmeralda.,
olhos de Ouro e de azul, minha Alazã
Área em cordas do Sol, fruto de prata,
meu chão e meu anel. Céu da manhã!

Ó meu sono, meu sangue, Dom,
coragem,
Água de pedras, rosa e belveder!
Meu candeeiro aceso da Miragem,
meu mito e meu poder - minha Mulher!

Diz-se que tudo passa e o tempo duro
Tudo esfarela o sangue há de morrer!
mas quando a luz me diz que esse
Ouro puro

Se acaba por finar e corromper,
meu sangue ferve contra a vã Razão
e pulsa seu Amor na escuridão!

(Poemas, 1999) Ariano Suassuna


Espero ter agradado e prometo estar atenta ao que possa interessar a meus visitantes. Apreciarei contribuições, como foi o caso, agora, de minha amiga Lígia. Usem o sistema de comentário ou o e-mail para o envio de sugestões.
Até breve.






publicado por Magaly Magalhães às 2:15 AM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário