Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










11.9.02
 

Nenhuma evocação cabe de minha parte. Já se falou amplamente sobre a tragédia. Entendidos de todas as áreas comentaram exaustivamente o ocorrido.
Sob o impacto das cenas exibidas a cru diante de tantos olhos atônitos, a sensibilidade de uma amiga produziu a
oração que transcrevo com reverência e admiração.

ORAÇÃO

Um bólide desumano
Detonou teu pedestal
As tuas torres de aço
Torres de areia e metal
Metal do bom e do vil
Metal do bem e do mal

A ti o meu bem querer
O meu apoio total

Pentador, pentavingança
Pentamaldade fatal
Fruto de horrores atrozes
De superarmas ferozes
De incontida produção
De um capitalismo cego
Capitalismo pagão

A ti todo o meu amor
A ti todo o meu perdão

Sustentando pentaguerras
Provocando a pentafome
Com os exatos recursos
Que gerariam fartura
Que dariam paz ao homem

A ti todo o meu carinho
E a minha compaixão

Ante a resposta inclemente
De ocultas sombras sofridas
Stop! Aos meios de morte
Desta guerra quente ou fria
Guerras bacteriológicas
De pentagases fatais
Guerras “santas”,”guerras nobres”
Racistas territoriais
"Glórias e louros imortais”
E esta, a pentadescarada
Sem armas, sem documentos
Sem vergonha, desalmada!

A ti toda a esperança
Sem ela nada se faz

Todos têm múltiplos meios
Para pentadestruir
Este nosso globo on-line
E todo nosso porvir
Só nos resta refletir!


Toda luz, todo o saber
Tudo que em mim possa ter

Ignoram uns e outros
Que no âmago do ser
Na pentamente doente
Devem plantar a semente
Que no amor fraterno jaz
Não fazer ao inimigo
O mesmo que ele nos faz!

Não manter o irmão carente
Um triste sobrevivente
Pois que o sofrer o instiga
E o torna mais sagaz
O que nos faz vulneráveis
Só insegurança traz

A ti a iluminação
A ti toda a minha paz!

Ah! Pentasuperpotências
Ah! Meus irmãos orientais
Após conflitados séculos
De pentalutas letais
Com vossa genialidade
Rompei o estabelecido
E dai fim aos arsenais!

A vós todo o meu respeito
E um mundo cheio de flores
Vida e aves multicores
E céus e matas e mares
Muitos encontros e amores

Como todos desejamos
Como Deus o projetou!


Bouzón
Rio, 11 / 09 / 2001

Abraços a todos; especiais para vc, Toninha, minha amiga especial.



publicado por Magaly Magalhães às 2:53 AM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário