Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










3.10.02
 
Clima patético! Sentimento de situação "déjà vue"?!
Oportuno pano de fundo para o dia D, o dia da chance de cada um usar seu bom senso e optar por alguém com equilíbrio, honestidade e, sobretudo, com amor pelo país que vai administrar por quatro anos. Não devem ser menores os cuidados para fazer a escolha de quem vai fazer andar o Estado e daqueles que vão compor os outros dois poderes, Legislativo e Judiciário, ao lado do poder Executivo, independente cada um dos três.
A tarefa em questão nunca se apresentou tão difícil e problemática. O comportamento de nossas elites, distante dos problemas que se avolumavam, alienadas, indiferentes; a sucessão de governos insatisfatórios por razões estranhas ou não à compreensão do homem comum; a pretensão sempre frustrada de a classe menos privilegiada alcançar um padrão de vida digno; estas coisas todas, associadas à acomodação a uma nova visão de desempenho com o processo da globalização, levaram nossa sociedade ao impasse
que nos atordoa hoje: as classes massacradas socialmente mostram sua reação, via crime organizado, e aviltam população.
A ordem é: Ação conjunta , sociedade mais governo, para tentar reverter o processo de revolta!
Justiça limpa e criteriosa; leis que atinjam as reais necessidade da população; poder executivo com caracteríticas de governabilidade; políticos conscientes de sua função, que não legislem em causa própria, que não ponham interesses pessoais antes dos interesses do país - é disso que precisamos minha gente! É dessa espécie de homem público que estamos carentes. É de administradores com consciência ética, com consciência de ser social, com consciência de ser moral.
Quem forma esse tipo de individualidade? A ESCOLA. Comecemos a educar, pais e professores, as gerações em desenvolvimento, martelando fundo os sagrados princípios éticos de fidelidade, respeito ao "outro", respeito à coisa pública e teremos daqui a umas dezenas de anos gerações preparadas para manter uma sociedade íntegra e capaz.


Cecília, onde está você com sua finura e delicadeza pra adoçar nossa alma constrangida? Venha, com seu milagroso ritmo, levantar nosso ânimo que não pode permanecer combalido. Dia 6, teremos que posar de agentes da esperança num Brasil mais equilibrado.

Vamos a ela, então.

REINVENÇÃO

A vida só é possível
reinventada.

Anda o sol pelas campinas
e passeia a mão dourada
pelas águas, pelas folhas...
Ah! tudo bolhas
que vêm de fundas piscinas
de ilusionismo... - mais nada.

Mas a vida, a vida, a vida,
a vida só é possível
reinventada.

Vem a lua, vem, retira
as algemas dos meus braços.
Projeto-me por espaços
cheios da tua Figura.
Tudo mentira! Mentira
da lua, na noite escura.

Não te encontro, não te alcanço...
Só - no tempo equilibrada,
desprendo-me do balanço
que além do tempo me leva.
Só - na treva,
fico: recebida e dada.

Porque a vida, a vida, a vida,
a vida só é possível
reinventada.


Vou ficando por aqui. Espero que me contem as novidades do dia D. Allons, enfants de la patrie!






publicado por Magaly Magalhães às 5:53 PM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário