Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










9.12.02
 
Tão próximos do Natal estamos que convém adotarmos uma atitude circunspecta em relação ao que somos - como nos portamos diante dos embaraços da vida, diante das necessidades de nossos semelhantes, diante dos desafios do mundo que nos cerca e o que é necessário corrigir em nossos impulsos diários para termos segurança, paz interior e esperança de estarmos no caminho certo. Foi aí que me lembrei de um ato de contrição com que Artur da Távola encerra seu livro de crônicas"Me vi te vendo"( Salamandra,1979).

ATO LEIGO DE CONTRIÇÃO

Meu talento é defesa.
Minha inteligência é acaso.
Não sou criador, sintetizo.
Minha bondade é culpa.
Meu bom senso é medo.
Não sei, sugo.
Meu equilíbrio tem as deformações do que é normal.
Minha lucidez nasceu da doença.
Não sou, suo.
Minha simpatia é feita de naturalidade.
Meu galanteio é corruptor.
Não tenho gestos, tenho intenções.
Minhas admirações são inveja.
Meu espanto é covardia.
Não invento, formulo.
Minha indiferença arde de desejos.
Minha doçura é timidez.
Minha versatilidade é esquizóide.
Não planto; colho, espertamente, a emoção comum.
Não fecundo porque sou hábil.
Não educo porque sou fraco.
Não desagrado porque sou dependente.
Não abalo porque sou medroso.
Meu brilho é a máscara do meu vazio.
Meu vazio é a minha verdade.
Minhas palavras são "flatus voicis".
Não sou expulso porque me acomodo.
Não crio porque ouso.
Não abro caminhos. Sou mero tradutor.
Não renovo porque repito.
Não ameaço porque prefiro o mais fácil.
Não espanto porque me deixei amansar.
Não sangro porque desisti.
Meu NÃO tem disfarces demais.
Meu SIM, quando será integral?
Meu eufemismo é hipócrita.
Não perco o emprego porque aprendi a sobreviver.
Não digo todas as minhas verdades por medo e preconceito.
Não escrevo o que sei e sim o que finjo saber.
Não sei, nem Tudo o que finjo.
Minha frase é esconderijo.
Meu prestígio é minha insegurança.
Minha palavra não é o "sal da terra".
Minha alegria é de estufa.
Meu elogio é demolidor.
Não sou a imagem que projeto.
Não mereço as carinhos que recebo.
Não valho a sua admiração.
Não sinto, sentindo, o que sinto escrevendo.
Minha modéstia é arrogante.
Minha agressão é ressentimento.
Minha ironia dá úlcera.
Minha vitória é menoridade.
Não me decido a ser definitivo.
Não venci as derrotas antigas.
Não derrotei as vitórias fáceis.
Meus ideais são ambições fantasiadas.
Minha crítica é projeção.
Minha frustação escreve melhor do que eu.
Minha amargura me finge simpático.
Não consegui vencer minha infância.
Minha coerência foi parar no sanatório.
Meu sarcasmo tem cara de anjo.
Meu riso é amortecedor, emoliente, trânsfuga.
Não sou bom, preciso de bondade.
Minha esperança e minha salvação:saber de tudo isso.
E CONFIAR E PROSSEGUIR.


Não dá para nos reconhecermos em muitas destas afirmações? Façamos todos nosso ato de contrição e esperemos a visita de Jesus Menino com o espírito mais leve, menos asfixiado.

Do autor escolhido para hoje, disse nossa saudosa Clarice Linspector :
"Artur da Távola tem um dom raro: é encantatório. Ele diz exatamente o que se propõe a dizer e isto, significa ser um bom escritor. Eu o admiro há tempos."

Boas perspectivas para o Natal. Saibam reinventá-lo.








publicado por Magaly Magalhães às 12:46 AM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário