Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










23.1.03
 
a nobre arte

a nobre arte
de viver tão pouco
nobre tão pouco arte
não em palcos
mas em corpos de sangue
em carne-viva sobre ossos esculpidos
silenciosa, anônima, animicamente

Cláudio

Êta! Isso se chama talento e inspiração! É por isso que não deixo de ler o blog do Claudinho.


Tendo feito referência aos poetas da Geração 45, no post passado, sinto-me inclinada a complementar essa abordagem sobre poesia contemporânea, fazendo comentários acerca de alguns de seus muitos representantes.
João Cabral de Melo Neto é um deles. Este pernambucano, que recebeu influência de Carlos Drummond de Andrade e Murilo Mendes, conseguiu criar um estilo personalíssimo, um estilo enxuto, econômico, em que a linguagem, sem verbalismos, se reduz ao estritamente essencial. Seguindo a tendência contemporânea - a poesia social - ele é autor de um auto de Natal, "Morte e vida severina narrando a caminhada de Severino desde o sertão até sua chegada a Recife. O poema é uma reflexão e, ao mesmo tempo, um depoimento sobre problemas sociais do Nordeste brasileiro.
Um pequeno trecho já dá noção do despojamento verbal e de estilo :

O retirante explica ao leitor quem é .

--O meu nome é Severino,
não tenho outro de pia
.......................................................
Somos muitos Severinos
iguais em tudo na vida:
na mesma cabeça grande
que a custo é que se equilibra,
no mesmo ventre crescido
sobre as mesmas pernas finas,
e iguais também porque o sangue
que usamos tem pouca tinta.
E se somos Severinos
iguais em tudo na vida,
morremos de morte igual,
mesma morte severina:
que é a morte de que se morre
de velhice antes dos trinta,
de emboscada antes dos vinte,
de fome um pouco por dia
( de fraqueza e de doença
é que a morte severina
ataca em qualquer idade,
e até gente não nascida).

Agora vou transcrever o trecho final. Como se trata de trechos soltos, cabe aqui uma explicação Sem esperanças, cansado de sofrer privações, Severino decide matar-se. Está conversando com seu José, mestre carpina, quando surge uma mulher e avisa ao mestre que seu filho acaba de nascer. Vizinhos e amigos comemoram o acontecimento. Há, então a fala final que se segue :

O carpina fala com o retirante.

--Severino retirante,
deixe agora que lhe diga:
eu não sei bem a resposta
da pergunta que fazia,
se não vale mais saltar
fora da ponte e da vida;

nem conheço essa resposta,
se quer mesmo que lhe diga;
é difícil defender,
só com palavras, a vida,
ainda mais quando ela é
esta que vê, severina;

mas se responder não pude
à pergunta que fazia,
ela, a vida, a respondeu
com sua presença viva.
E não há melhor resposta
que o espetáculo da vida:
vê-la desfiar seu fio,
que também se chama vida,
ver a fábrica que ela mesma,
teimosamente, se fabrica,
vê-la brotar como há pouco
em nova vida explodida;
mesmo quando é assim pequena
a explosão, como a ocorrida;
mesmo quando é uma explosão
como a de há pouco, franzina;
mesmo quando é uma explosão
de uma vida severina.


Fim da conversa de hoje. Preciso me policiar; tenho dificuldade de parar quando me entusiasmo por um assunto.
Uma notinha só a mais:
Este auto foi levado ao teatro, musicado por Chico Buarque de Holanda, tendo alcançado sucesso considerável.

Até breve.





publicado por Magaly Magalhães às 12:28 AM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário