Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










21.3.03
 
"É IMPOSSÍVEL DEIXAR DE LAMENTAR OS DESATINOS DA HUMANIDADE QUANDO, MAIS UMA VEZ , ELA SE LANÇA AO PRECIPÍCIO."

Está no artigo "A MARCHA DA INSENSATEZ" de Cora Rónai, no Segundo Caderno de O Globo de hoje, 20 / 03 / 03.

Eu não conseguia crer que esta guerra seria levada a cabo. Até a última hora, esperei que algo sustasse esse ato de insensatez, como bem disse Cora. Infelizmente, fui forçada a acreditar quando, diante da televisão, assisti ao primeiro bombardeio sobre Bagdá.

Onde os princípios humanísticos que deveriam nortear o homem? De que serve o progresso científico em todas as áreas do conhecimento humano se, para a solução de problemas externos, ainda é válida a demonstração de força e abuso de poder? Não se massacra uma população sem condição de fuga para devolver-lhe a liberdade.

As nações líderes do mundo tinham que ter encontrado um meio de depor o ditador iraquiano antes que a nação mais bem armada do mundo agisse ditatorialmente, como está acontecendo. Quais serão os corolários desta demonstração? Olho com espanto e angústia o fantasma de uma ditadura planetéria. E a massa alienada de americanos, anestesiada da maneira como fala nossa indignada Cora, pode muito bem servir aos fins beligerantes deste insensato governo dos EEUU.

Que a sensatez aflore nas mentes responsáveis dos homens que ainda têm voz no concerto das nações e guie a humanidade para uma ação de desarmamento total. Só assim, poderemos vislumbrar a possibilidade de paz definitiva no universo.


----------------------------------------xxx------------------------------------------


Para não deixar de trazer poesia, mesmo neste inexorável clima de guerra, achei entre os Esparsos e Inéditos de Mauro Faustino, o poeta ligado à idéia de morte, por excelência, este lindo poema sem título :

...

Túnel, pedra, tonel
A mão sem luva,
a mão com chaga.
Mundo que sobe e desce,
mundo que sofre e cresce.
Mundo que principia, medra e finda,
mundo de fel e mel,
túnel, pedra, tonel.

E as dobras fartas
do manto sono
tombando em torno
do leito tempo --

e os dobres fortes
do pranto sino
trocando em turnos
de luto e vento --




No fim do túnel, o pricípio do túnel.
Na subida da pedra, a descida da pedra.
O túnel não tem fundo, a mão não chega às uvas --

Lida, caixão e sorte,
vida, paixão e morte.


---------------------------------------xxx-------------------------------------------


Enfrentemos o sofrimento pela guerra. Oremos pelos que estão lutando. Esperemos em Deus que não dure demais.
Até breve.








Para não deixar

publicado por Magaly Magalhães às 1:53 AM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário