Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










21.6.03
 
Alguém leu "Matrix" é contra o homem e a favor da máquina de Jabor, no Segundo Caderno de O Globo, de 17 / 06? De tudo que li sobre Matrix foi o que mais me calou no espírito. Acho que ele pegou essência da coisa em si.
"Matrix é um sintoma: finge denunciar uma desumanização da vida para, com este pretexto, propalar justamente a beleza fria de uma desumanização em curso há muito tempo."
E continua mais adiante: Matrix finge ser contra a máquina fazendo a apologia dela o tempo todo: finge ser contra a aridez da automação, mas está ali para vender computadores. Os personagens principais não são as pessoas; são as Coisas, os carros em duelo, helicópteros, os lasers, os supercomputadores, os infinitos gadgets de um mundo da ciência que formam um gigantesco showroom de utilidades tecnológicas."
Diz mais:"Ali, não há drama, pois o desejo dos produtores é justamente fazer o apagamento do drama humano em nossas cabeças. A ação na tela é incessante, de modo a nos paralisar na vida; o conflito é permanente, de modo a privar o espestador de ver seus conflitos reais".
E mais: "O filme vende a perversão como afeto, a coolness total como modo moderno de ser: rostos impassíveis, competências velozes, capas negras, óculos impessoais, tudo num clima de superdesfile de moda, com uma elegância cruel, com ressonâncias punk, ecos do que seria um comportamento revolucionário. O filme finge ser uma crítica à modernidade capitalista, justamente para afirmá-la.
Não há sangue, apesar das muitas mortes. Antes, os filmes violentos trabalhavam em cima de nosa fome de morbidez e sadismo sangrento. Agora, é o prazer da eficiência em eliminar inimigos ou competidores, como num boliche.. A morte não é mais banalizada nesses filmes, como nos anos 80. Agora não há propriamente morte, mas a substituição de peças, re-fill ,
reabastecimento. Os heróis não vencem porque têm um ideal mais justo; vencem por mais competência."
A poucos passos da conclusão, o cronista defende: "Filmes como Matrix mostram que surgiu uma nova mercadoria: a liberdade. A América Corporativa se apossou da transgressão e fetichizou-a também. Este é o supremo simulacro. Tomando conta da liberdade e programando-a como um bem de consumo, a repressão se perpetua."
E, finalmente, comenta: "Quanta coisa maravilhosa a América já nos deu - dos Boeings aos antibióticos, a música, o cinema, tantas coisas... Mas, hoje, o que nos dá, além da arrogância de potência única? Haverá espaço para uma reação da verdadeira democracia americana?"

Achei esplêndida a crítica, oportuna, ferindo fundo o ponto nevrálgico da questão - o lento esgotamento da sociedade e a dúvida quanto à reação efetiva do homem. Do ponto de vista antropológico, só há dois caminhos: ou a sociedade se extingue, desaparece ou reage e ressurge de suas próprias cinzas.


Vou ficar por aqui. hoje, vou ficar devendo a poesia que pagarei em dobro, assim que puder.
Bom fim de semana pra todos.


publicado por Magaly Magalhães às 1:13 AM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário