Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










6.9.03
 
Uma piadinha nunca é demais também... quando a gente precisa relaxar.


O CHINÊS

Um chinês entra num bar em New York quando vê o Steven Spielberg. "Olha o Spielberg ! Gostaria de conhecê-lo...", pensa ele.
O Spielberg passa pelo chinês e, quando o vê, dá-lhe um soco no focinho que faz lhe sangrar o nariz.
- Hei... Por que você fez isso ?! Pergunta o chinês.
- Vocês, japoneses, mataram o meu avô quando bombardearam Pearl Harbor...
- Mas eu não sou japonês ! Sou chinês !
- Chineses, tailandeses, japoneses... É tudo a mesma coisa !

E o Spielberg vai sentar-se .
Por sua vez, o chinês chega perto dele e enfia-lhe um soco daquelas de fazer o cara rodar na cadeira.
- Meio grogue, o Spielberg pergunta: - Então ?! Por que isto ?
- Imbecil ! Minha avó estava no Titanic...
- Mas não fui eu que afundei o Titanic ! Foi um Iceberg !
- Iceberg, Gutenberg, Spielberg... É tudo a mesma coisa também !


[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[:]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]


Saiba você....

...que o programa KaZaA Lite acaba de ´incorporar dispositivos que dificultam qualquer tentativa de identificação de seus usuários e dá cartão vermelho para os bisbilhoteiros em geral´.

Li na INFO deste mês, notícia fresquinha, sim senhores! O texto dizia mais:

´O programa é uma modificação do KaZaA com uma série de recursos adicionais e sem spywares e outros componentes comerciais do KaZaA original, como a rede Altnet. Seu principal mecanismo de defesa é o bloqueio de IPs suspeitos de estar a serviço de vasculhadores de computadores e micros alheios. Isso é feito com a ajuda do banco de dados do
PeerGuardian, uma espécie de firewall que funciona baseado numa lista de endereços IPs atualizada constantemente. As alternativas oferecidas pelo K++ para manter a privacidade não param aí. Assim como no KaZaA original, é possível impedir que o programa liste o conteúdo armazenado na pasta de arquivos compartilhados de um usuário. Outra manobra é desabilitar a porta 1214, a chamada porta do KaZaA, cortando a onda de qualquer bisbilhoteiro interessado em fuçar em seus arquivos. Por fim, apaga o histórico de buscas automaticamente´.


[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[[:]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]]


Procurando verdades no poetar...


COM LICENÇA POÉTICA

Adélia Prado


Quando nasci um anjo esbelto,
desses que tocam trombeta, anunciou:
vai carregar bandeira.
Cargo muito pesado pra mulher,
esta espécie ainda envergonhada.
Aceito os subterfúgios que me cabem,
sem precisar mentir.
Não sou tão feia que não possa casar,
acho o Rio de Janeiro uma beleza e
ora sim, ora não,
creio em parto sem dor.
Mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina.
Inauguro linhagens, fundo reinos
- dor não é amargura.
Minha tristeza não tem pedigree,
já a minha vontade de alegria,
sua raiz vai ao meu mil avô.
Vai ser coxo na vida
é maldição pra homem.
Mulher é desdobrável. Eu sou.


Posso falar por vocês, leitoras amigas?

Estamos com você, Adélia







publicado por Magaly Magalhães às 1:41 AM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário