Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










14.12.03
 
Gente! Fui lá nos comentários de Imagens & Palavras e concluí que, neste corrido mês de dezembro, não dá para esperar que os leitores num só post tenham que clicar em links pra ler algo além do que o post em que estão lhes oferece. Mas digo: vocês não sabem o que estão perdendo.
E como não quero que isto aconteça, partindo do fato de que as mini-estórias são realmente condensadas em pouquíssimos períodos, vou transcrevê-las aqui para facilitar a ação de vocês. Leiam-nas, opinem sobre elas nos comentários daqui mesmo, escolhendo a preferida e opcionalmente aplicando uma nota de 1 a 5.

3 narrativas de ELSA L
ELSA L (Portugal)


01 - Estória do momento

Não há nada.
Nem os relógios que nos levam minutos, nem as medidas que nos separam. Nem os que nos amam, nem os que nos odeiam. Não há nada aqui que nos impeça nesses caminhos cruzados.
Só há estes dois corpos líquidos abraçados num encontro etéreo. Essa mistura coloidal que se completa.


02 - Sobre o tempo que passa

No fumo das velas que nos leva o tempo (ou na ponta do teu cigarro) tudo se esfuma, tudo se esvai, enquanto nós ficamos na espera constante desse hálito branco que nos teima em dar futuros dos passados que desejamos.


03 - Sozinha no Majestic

A temperatura do café desceu enquanto o cigarro se esfumou. Ela realmente não gostava de café. Nem de cigarros. Mas a tentativa de se distrair na cadência das notas sobre a coluna de fumo falhou. A espera deixava-a cada vez mais deserta naquele canto entre os espelhos velhos do Majestic.
Não deixava mais.
Quando sentiu o sopro da chuva que se escapava pela porta aberta, ele compreendeu: quem estava só era ele. Com Chopin.


E então? Vamos à leitura e à crítica? É um belo exercício. A gente absorve a idéia do outro, elabora-a, pensa-a, repensa-a e devolve-a. O resultado é um enriquecimento do próprio pensamento um alargamento de perspectivas.
Não deixem de colaborar. Cada um tem o que acrescentar sempre. Ora um detalhe ora uma idéia paralela.

************

E o desafio? Nenhum palpite? Está aí outra coisa em que posso ajudar. Vou adiantar detalhes da vida do autor, época em que atuou, caracteríticas de estilo ou de personalidade e espero que haja participação.

Pernambucano, nascido na segunda década do século passado, contemporâneo do poeta alagoano Ledo Ivo, fez carreira diplomática, tendo estado em Barcelona Londres, Sevilha, Marselha, Genebra, Berna, Assunção, Dacar.
Durante uma estada em Recife, fez uma pesquisa geográfico-sentimental do amado rio de sua infância - o Capibaribe - resultando daí seu longo poema O Rio

O reconhecimento de seu trabalho aconteceu com o poema dramático Morte e Vida Severina, de 1956, levado ao palco dez anos dpois e musicado por Chico Buarque de Holanda.

Ficou fácil agora? Então, a resposta é_______________________________

************

Refresco para os olhos. Adivinhem que lugar é este.


publicado por Magaly Magalhães às 12:16 AM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário