Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










3.1.04
 
Saudosa de meu berço, recorro ao poeta de mesma procedência.

É com orgulho e profundo respeito que evoco JORGE DE LIMA, o poeta cujo plano situava-se acima da frágil natureza das coisas. Sua poesia pairava sempre alto, mesmo quando não era inteiramente subjetiva. Ele não transformava dores pessoais em poemas. A subjetividade era inerente à sua poesia e sonorizava seu canto

Trago-lhes hoje CANTIGAS (in "Novos Poemas").

As cantigas lavam a roupa das lavadeiras.
As cantigas são tão bonitas, que as lavadeiras
ficam tão tristes, tão pensativas!

As cantigas tangem os bois dos boiadeiros!
Os bois são morosos, a carga é tão grande!
O caminho é tão comprido que não tem fim.
As cantigas são leves...
E as cantigas levam os bois, batem a roupa
das lavadeiras!

As almas negras pesam tanto, são
tão sujas como a roupa, tão pesadas
como os bois...

As cantigas são tão boas...
Lavam as almas dos pecadores!
Lavam as almas dos pecadores!


Estão vendo? A um assunto trivial, que podia ter sido circunscrito à descrição da paisagem, o poeta conferiu um tratamento religioso. Deu um nome vago ao poema e foi além das lavadeiras e boiadeiros para sugerir que os homens precisam lavar a alma e tirar-lhes as sujidades.
Para poeta de Túnica Inconsútil os problemas humanos e divinos eram os capitais.


*************


A saudade amainada, vamos ao fato que estragou a entrada do ano . As chuvas, apesar de moderadas, mas constantes, chegaram a causar um grande número de deslizamentos aqui, no Rio. Muita gente desabrigada, sofrimento para muitos.

Esperemos que o tempo mellhore e que as pessoas atingidas logo se refaçam. o que não é tão fácil dado o tipo dos prejuízos sofridos. Mesmo que haja uma ação solidária como sempre acontece, essas ocorrências deixam sinais de desestruturação por um bom tempo.


************


Espero que 2004 nos traga solução para muitos dos problemas que emperram o desenvolvimento de nosso país para que o Brasil possa se projetar como uma nação adulta e de grandes possibilidades.

publicado por Magaly Magalhães às 11:13 PM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário