Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










10.1.04
 
Uma sensação difusa me toma o peito agora, exatamente na hora de postar, de conversar com vocês. Nada me aconteceu durante o dia que me causasse algum mal-estar... Ah! o assalto a um apartamento na vizinhança.

Meu dia corrido, cheio de ocupações rotineiras me tirou a atenção do ocorrido em plena manhã, já clara, em sua sétima hora. Numa esquina, um sujeito, empunhando uma AR15, funcionava como olheiro a uns 12 metros da entrada do edifício em que moro. Na outra esquina, outro olheiro aparelhado com mais uma AR15. Num edifício da transversal curtinha, de um trecho só, assaltantes, armados até os dentes, molestavam, amedrontavam e saqueavam os moradores de dois dos dez apartamentos. Nem desço a detalhes. O Globo de quinta-feira fez isso muito bem.

O amargo que me ficou na alma traduz toda a minha indignação diante de nossa impotência. É muita insegurança!

A Ladeira do Sacopã tem vivido dramas semelhantes com freqüência assustadora, segundo os jornais.

Há poucos anos, no edifíco vizinho ao meu, uma médica de 62 anos, que havia vindo abraçar sua mãe no Dia das Mães, não logrou voltar para casa. Foi morta dentro do elevador por dois marginais que haviam entrado no edifício como entregadores de flores e aguardavam as vítimas no elevador.

Como se não bastassem os jornais cuspindo fogo, furtos e fatos escabrosos, estou eu aqui a engrossar este rosário de casos deprimentes.
É que, quando o caso se passa tão proximamente, nossa inquietação redobra. O medo se instala, nossa vida vira um tumulto.

E não há um poder efetivo que consiga controlar essa horda insana que vive de praticar roubos e crimes?

Precisamos de tantas providências!

De um sistema penitenciário onde se reeduque o malfeitor; não de prisões desaparelhadas que amontoam desumanamente os indivíduos, piorando-lhes o caráter, fomentando rebeliões, abrindo margem à corrupção deslavada.
De uma polícia adestrada, incorruptível.
De uma fórmula para uma distribuição de renda menos injusta.
De uma mobilização mais significativa da sociedade no sentido de atingir esses objetivos.

E precisamos de um sistema educacional, onde a criança se forme para a vida plena, moldada pelos princípios éticos, em que companheirismo, solidariedade, ombridade sejam uma constante.

Sinto-me menos pesada dividindo com vocês esse desgosto. Não me levem a mal.


****************************************

O Globo de hoje, sábado (sim, ontem o cansaço me venceu e terminei não concluindo o post, o que vou fazer já) traz em seu caderno Prosa e Verso um artigo do jornalista Elias Fajardo fazendo um paralelo entre as “duas baleias no oceano global: Brasil e Índia”.
Ele fala da Índia, país que vai sediar o Fórum Social Mundial e seus pontos em comum com o Brasil, como a biodiversidade e o clima.
E traz à baila a lira de Cecília Meireles nos versos “Eu vi o mundo recoberto/pela manhã de claridade/ da incandescente eternidade”, onde ela insinua as diferenças entre os dois universos.
Vieram-me à mente os lindos poemas que a poeta e educadora , em sua viagem à Índia , dedicou ao país que visitava. Logo imaginei oferecer-lhes um deles que acho magnífico:

A LEI DO PASSANTE

Passante quase enamorado,
Nem livre nem prisioneiro,
constantemente arrebatado,
- fiel? saudoso? amante? alheio?
a escutar o chamado,
o apelo do mundo inteiro,
nos contrastes de cada lado...

Chega?

Passante quase enamorado,
já divinamete afeito
a amar sem ter de ser amado,
porque o tempo é traiçoeiro
e tudo lhe é tirado
repentinamente do peito,
malgrado sem querer, malgrado...

Passa?

Passante quase enamorado,
pelos campos do inverdadeiro,
onde o futuro é já passado...
- Lúcido, calmo, satisfeito,
- fiel? saudoso? amante? alheio?
Só de horizontes convidado...

Volta?


publicado por Magaly Magalhães às 2:53 PM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário