Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










21.2.04
 
É Carnaval!
Não brinco o carnaval, nem mesmo assisto a suas manifestações pela televisão. Aproveito os dias para pôr em ordem gavetas, livros, computador etc, mas torço pra que haja bom tempo, sol, ventinho suave, e os foliões possam aproveitar os dias de festa liberando com música, dança, exibição gratuita seus problemas e dissabores da vida comum.

A propósito, é interessante saber o que antropólogos, escritores, artistas, carnavalescos pensam sobre o carnaval nesta época de globalização.
Tomemos um intelectual da categoria do poeta Ferreira Gullar que nos chama a atenção para a antropofagia na globalização do carnaval. Ele diz que a pulsão antropofágica, apesar de universal assume, no Brasil, um caráter permanente, único na História.
Em entrevista realizada pelo jornal O Globo, em 2002, Gullar diz :”O Brasil é um país interessante porque sempre consegue transformar o que absorve em algo original. Isto é antropofágico. A antropofagia não existiu como estilo, como produto acabado...” “Mas ela é natural de todas as sociedades. A arte grega vem da egípcia, a romana vem da grega. Ocorre que, no Brasil, é curioso, porque acontece muitas vezes ao longo da História.”
Tentando exemplificar a digestão antropofágica, ele afirmou que “primeiro era o pessoal da Zona Sul que se misturava nas escolas, e a gente dizia: tem branco no samba. Agora, importamos louras suecas e as devolvemos como mulatas passistas, que vêm aprender o samba na escola”.
Sugerido pelo entrevistador, o jornalista Arnaldo Bloch, isso equivale a dizer que há um imperialismo sambístico brasileiro ao que Gullar reponde: ”Isso! Na verdade, neste mundo altamente globalizado, uma metrópole como o Rio preservar um tipo de manifestação como as escolas é impressionante. Não há exemplo em nenhuma metrópole do mundo. A tendência da metrópole é limitar tudo que é primitivo na sua origem cultural. E aqui é algo que funciona o ano inteiro!. Não sei até quando vai durar. Talvez essa mescla seja o princípio do fim. Mas pode também ser um sinal de vitalidade.”

Estas afirmações são de uma entrevista de Ferreira Gullar para O Globo, em 10/02/02.


Que tal agora um samba-enredo do Carnaval 2004?

Pediu pra pará, parou! Com a Viradouro eu vou. Pro Círio de Nazaré

No mês de outubro, em Belém do Pará,
São dias de alegria e muita fé
Começo com extensa romaria matinal
O Círio de Nazaré
Que maravilha a procissão, e como é linda
A santa em sua berlinda
E o romeiro, a implorar
Pedindo à dona em oração pra lhe ajudar
Oh, virgem santa, olhai por nós
Olhai por nós, oh, virgem santa,
Pois precisamos de paz.
Em torno da matriz
As barraquinhas com seus pregoeiros
Moças e senhoras do lugar
Três vestidos fazem para se apresentar
Tem o circo dos horrores
Berro-boi, roda gigante
As crianças se divertem
Em seu mundo fascinante
E o vendeiro de iguarias a pronunciar
Comidas típicas do Estado do Pará
Tem pato no tucupi, muçuã e tacacá
Maniçoba e tucumã, açaí e aluá

(De Dário Marciano, Nilo Mendes [Esmera] e Aderbal Moreira.
Intérprete: Dominguinhos do Estácio


Até depois do Carnaval e divirtam-se! Cada qual a seu gosto!

publicado por Magaly Magalhães às 11:23 AM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário