Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










16.3.04
 
Este post é dedicado à nossa amiga Maria Elisa Guimarães.


Meg,
Estou repetindo, mas sei que você aprovará a repetição. Repetir, dizer de novo aquilo que nos alimenta o espírito é dar continuidade a um prazer, ao prazer inenarrável de absorver a essência do que diz um poeta como Mário Faustino, um de seus preferidos entre tantos que você tem elegido. Está aqui, Meg, e é lindo demais:

SONETO

Necessito de um ser, um ser humano
Que me envolva de ser
Contra o não ser universal, arcano
Impossível de ler

À luz da lua que ressarce o dano
Cruel de adormecer
A sós, à noite, ao pé do desumano
Desejo de morrer.

Necessito de um ser , de seu abraço
Escuro e palpitante
Necessito de um ser dormente e lasso

Contra meu ser arfante:
Necessito de um ser sendo ao meu lado
Um ser profundo e aberto, um ser amado.

******************

Outro poeta de quem você gosta muito também – Jorge de Lima.

Ora a musicalidade do poema da negrinha Fulô:

Ó Fulo? Ó Fulô?
Cadê meu lenço de rendas,
Cadê meu cinto, meu broche,
Cadê meu terço de ouro
Que teu Sinhô me mandou?
Ah! Foi você que roubou,
Ah! Foi você que roubou.
...

Ö Sinhô foi ver a negra
a levar couro do feitor.
A negra tirou a roupa,
O Sinhô disse: Fulô!
(Avista se escureceu
que nem a negra Fulô)
Essa negra Fulô!
Essa negra Fulô!
...

(Aqui , ele é o intérprete nativista do lirismo alagoano na mais pura expressão coloquial e tradicionalista).

Ora a cosmogonia de Invenção de Orfeu que se encerra com esta mensagem:

No momento de crer,
criando

Contra as forças da morte,
a fé

No momento da prece
orando
pela fé que perderam
os outros

No momento da fé
crivado
com umas setas de amor
às mãos
e os pés, e o lado esquerdo
Amém.

***************

Esperamos, Meg, que você volte o mais cedo possível para nós com sua alegria, disposição e dinamismo. Você, realmente, nos faz muita falta.

publicado por Magaly Magalhães às 1:40 AM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário