Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










24.4.04
 



Era para ter postado este texto no dia 22 último para lembrar a data histórica. Faz parte do livro Redescobrindo o Brasil aos 500 anos, que reúne textos de jovens brasileiros participantes do concurso patrocinado, na ocasião do aniversário dos 500 anos, no ano 2.000 , pela Tap.
Selecionados por dois grandes nomes da Academia Brasileira de Letras, Josué Montello e Nélida Piñon, os textos remetem à carta de Pero Vaz de Caminha à corte portuguesa anunciando o feito de Pedro Álvares Cabral.
Escolhi o premiado em 3° lugar, escrito por Fernanda Bonadio, da Universidade de Ribeirão Preto – São Paulo.

Meu caro Pero,
Empresto-te meus olhos para que creias no que agora vejo. Caminha pelos meus passos e revive a alegria desta descoberta. Sente o calor deste sol que aquece o corpo e o sonho dos que aqui aportam, que aquece a transparência das águas e a brancura das praias, que ilumina e fertiliza as florestas e os campos, que castiga o solo seco do sertão e acaricia as serras na bruma da manhã.
Há aqui uma nova terra, meu caro, e diversa da que um dia viste. As praias que certamente encantaram teus olhos, encantam ainda os meus, e os de toda gente, mas trazem já junto a si modernas cidades que provêem o conforto e a segurança necessários a tamanho encanto. Existem, em algumas delas, grandes portos que permitem o intercâmbio entre produtos do mundo todo.
As imensas florestas abrigam uma miríade de espécies de animais e plantas, como pudeste vê-los outrora, e despertam interesse e admiração. Entretanto, não ocupam mais todo o vasto território, e dividem o espaço com inúmeras cidades, pequenas e grandes, e com propriedades agrícolas que usufruem da riqueza do solo. Ocultos aos olhos, os tesouros do subsolo se tornam visíveis através de grandes siderúrgicas dos inumeráveis tipos de minérios utilizados aqui e exportados para outros países.
Desviemos um pouco o olhar do chão, caro amigo, para que possamos observar as movimentadas cidades. Nelas encontraremos indústrias, comércio, todo tipo de serviços e tecnologia, como em todas as grandes cidades do mundo. Se preferes, deleitemo-nos com a calma e o aconchego das pacatas cidadezinhas do interior, e sintamos o tempo arrastar-se, mais lento e fluido, no canto dos pássaros, no correr dos rios, ou no som plangente de um violão ao cair da tarde.
Considera agora, Pero, que por trás do violão há uma mão que o tange, e há um coração sensível à beleza. Repara que por trás do bulício das grandes cidades há o esforço por uma vida digna, há a vontade de um país melhor. Observa como o combustível das indústrias e o adubo do solo são o suor e a força do trabalho árduo e incansável. Atenta para a natureza exuberante e pródiga e percebe como depende do cuidado e empenho de vozes que desprezam o tempo e clamam pelo futuro, que unem suas mãos para garantir sua vinda.
Essa, meu caro, é a maior riqueza desta terra. Estou certo de que não poderias sequer sonhá-la tão grande e tão forte. São pessoas que vieram de todas as partes do mundo para plantar aqui sua esperança e hoje formam a raça dos que acreditam. Sua cultura é a alegria, seu coração acompanha seus ritmos envolventes, sua voz canta a cor e a vida.
Esse povo conhece seu valor e não recua diante das dificuldades; antes, luta, supera-as e enobrece-se. É um povo de mãos dadas: no trabalho, para somar; na solidariedade, para compartilhar; na fé, para unificar. Seu olhar expressa a certeza de estar no caminho certo, e sua alma é tão grande e generosa como o chão em que pisa. Seu rosto traz os traços marcados por quinhentos anos de coragem. É, assim, uma nação com vocação para o futuro e engenho para construí-lo desde já.
Imagino que estejas surpreso ante esta nova descoberta. O Brasil é, de fato, surpreendente. Fica, por ora, com essa imagem iluminada pelo meu entusiasmo. O futuro se encarregará de enviar-te outras cartas.




Para finalizar, um poema da poeta portuguesa por nascimento, brasileira por opção - Maria Helena Varela - constante de seu livro Labirintos e Mapas, um “ livro de viagens, reais e imaginárias, de navegações poético-fiosóficas, em que a autora, em seu pensar-sentir lusitano, cinge Portugal e Brasil no abraço da língua comum, dos mesmos anseios e lonjuras” (palavras de Moura Machado).


EPÍLOGO

A rota sem retas,
De hipérboles e parábolas tecida,
Retorcida nos tempos,
Os mapas inconjuntos da utopia
E os impérios visionados do Invisível;
As razões cativas do mistério,
E os signos pontilhados de Indizível,
Tudo isso aqui ficou, coalhado no poema.

E os Vieiras e Cabrais que não se foram
Mas ficaram perdidos nestes mapas,
Além de mim, suspensos
Nos labirintos da história do futuro...

publicado por Magaly Magalhães às 9:49 PM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário