Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










6.6.04
 


Ilha Bela
Aquarela por Dudi Maia Rosa

DEMOCRACIA

Melhor seria um nome mais adequado para o nosso de regime de governo. De democracia, só traços aqui e ali, esgarçados, quase irreconhecíveis.
Não sou a pessoa indicada para falar de política; não tenho conhecimento para isso.
Entretanto, qual o leigo que não percebe a discrepante diferença de renda entre os indivíduos que compõem os diversos segmentos de nossa sociedade? Podemos falar de democracia num país em que um indivíduo sustenta-se com um aviltante salário de R$ 240,00 enquanto há pessoas contempladas com megasalários de 8, 9, até 15, 16 mil reais (nem sempre pessoas produtivas!) ?
Custa-me crer que homens inteligentes, competentes, sagazes, que comandam a nação, não se sensibilizem diante de tamanha disparidade de ganhos. Nossa distribuição de renda é das mais absurdas e desumanas.
A Constituição existe para ser respeitada, sim, mas atitudes como a de a Justiça espaldar-se na lei dos *direitos adquiridos*, contemplando exclusivamente a elite, está além do aceitável ou tolerável.
Temos que enfrentar a necessidade da correção dessa discrepância. Como? Os cientistas políticos terão aí sua vez.
Já ouvi falar em alguma coisa parecida com a seguinte meta: armar um planejamento, tal que, dentro de um determinado número de anos, a massa trabalhadora ganhe uma média ponderada deR$600,00 e a elite, uma média ponderada de R$12.000,00.

Não me refiro a este ou a qualquer governo em especial. Os erros vêm de longe, acumulam-se, perpetuam-se, muitas vezes estimulados por negligência, preocupação egoística de reeleição, prevalência de interesses individuais, afrouxando as rédeas da ética, produzindo esta absurda desigualdade social.



Para fugir um pouco dessas preocupações, vamos mergulhar no mundo da poesia?

MÃOS DADAS

Carlos Drummond de Andrade

Não serei o poeta de um mundo caduco.
Também não cantarei o mundo futuro.
Estou preso à vida e olho meus companheiros.
Estão taciturnos, mas nutrem grandes esperanças.
Entre eles, considero a enorme realidade.
O presente é tão grande, não nos afastemos.
Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.

Não serei o cantor de uma mulher, de uma história,
não direi os suspiros ao anoitecer, a paisagem vista da janela,
não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida,
não fugirei para as ilhas nem serei raptado por serafins.
O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes,
a vida presente.

(in Reunião,6ªed., Rio de Janeiro, J.Olympio,1974, p.55)


TERNURA

Vinicius de Morais

Eu te peço perdão por te amar de repente
Embora o meu amor seja uma breve canção aos teus ouvidos.
Das horas que passei à sombra de teus gestos
Bebendo em tua boca o perfume dos sorrisos
Das noites que vivi acalentado
Pele graça indizível dos teus passos eternamente fugindo
Trago a doçura dos que aceitam melancolicamente.
E posso te dizer que o grande afeto que te deixo
Não traz o exaspero das lágrimas nem a fascinação das promessas
Nem as misteriosas palavras dos véus da alma...
É um sossego, uma unção, um transbordamento de carícias
E só te pede que te repouses quieta, muito quieta
E deixes que as mãos cálidas da noite encontrem sem fatalidade o olhar estático da aurora.

(in Antologia Poética, 13ª ed., Rio de janeiro, J.Olyimpio, 1976, p.76)

publicado por Magaly Magalhães às 1:39 AM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário