Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










10.6.04
 


Salvador Dali
Apparition du Visage de l´Aphrodite Cnide dans un paysage
Oil painting

Eu, pensando... ou melhor, revendo conceitos, relembrando leituras.

Em sua formação, o indivíduo, sob o impacto de tantas forças interagindo em seu campo de ação, pára e se faz a eterna indagação de quem precisa descobrir sua própria natureza:

O que é o ser humano?

O homem é um ser ambíguo, múltiplo, indagativo, ansioso por conhecer-se, em busca das respostas às angustiantes perguntas:
Quem sou eu? De onde vim? Para onde vou?

Suas características: Pluralidade e Ambigüidade.

É riquíssima a pluralidade de ser humano como é dolorosa a sua ambigüidade. O homem debate-se nessa teia complexa até aprender a fazer a síntese. É o alívio da dor que adquire, então, o nível de aprendizado.
Ao nascer, a criança chora: reação de dor à entrada de ar nos pulmões. Para viver, é preciso chorar. É o homem começando no berço a lidar com a dor.(Vêm daí as expressões: aprender com a dor, ter a dor como mestre.)

O homem tem como meta de vida a felicidade. Seu verdadeiro estado de felicidade é a sábia percepção de seus limites. E não há que resignar-se com as próprias limitações. A sabedoria está em reconhecê-las, procurar lidar com elas da melhor maneira possível, explorando suas demais aptidões, respeitando as limitações alheias.
O homem precisa lembrar que vive em sociedade e que os valores de um grupo não são os mesmos valores de outro grupo. Há uma pluralidade muito grande de opções e a atitude a ser adotada não pode ser outra: o respeito às diferenças individuais.

Essa velha angústia do homem leva-o a procurar respostas ora no sagrado, ora na ciência, o que gera nele a capacidade de criar. E é nessa capacidade criadora que reside a finalidade do questionamento humano.

Em súmula, o homem é isto: ânsia de conhecer-se, buscas, criatividade no processo de pensar-se.

Existe uma situação de perigo para o ser humano: a de entregar-se à inércia. Não podemos esquecer que a paz vem da certeza de se ter tentado fazer algo.

O ser humano em si é lindo. É certo que temos nosso código. É certo que ele anda com o discurso invertido, mas também é certo que temos capacidade para repensá-lo, modificá-lo.

Na realidade, não há sociedade boa nem sociedade má. Há a sociedade que estimula a agressividade e há a sociedade que estimula a cordialidade. Melhor é a sociedade que estimula a tolerância.
A atual sociedade é a mais intolerante que já atuou no cenário mundial. No momento presente, podemos dizer que a força abarca a Terra. Fato único na História.

Tudo, entretanto, é passível de reestruturação. Pode demandar muito tempo, mas pode ocorrer uma remodelação. O importante é que o homem continue a lutar por uma sociedade equilibrada e que não perca a capacidade de construir e de conquistar a verdadeira liberdade.


******************


Entrando em onda poética, o que tenho hoje para meus leitores?

O ESTATUTO DO HOMEM

Ato Institucional Permanente

Artigo I
Fica decretado que agora vale a verdade, que agora vale a vida, e que, de mãos dadas, trabalharemos todos pela vida verdadeira.

Artigo II
Fica decretado que todos os dias da semana, inclusive as terças-feiras mais cinzentas, têm direito a converter-se em manhãs de domingo.

Artigo III
Fica decretado que, a partir deste instante, haverá girassóis em todas as janelas, que os girassóis terão direito a abrir-se dentro da sombra, e que as janelas devem permanecer, o dia inteiro, abertas para o verde onde cresce a esperança.

Artigo IV
Fica decretado que o homem não precisará nunca mais duvidar do homem.
Que o homem confiará no homem como a palmeira confia no vento, como o vento confia no ar, como o ar confia no campo azul do céu.
O homem confiará no homem como um menino confia em outro menino.

Artigo V
Fica permitido que o pão de cada dia tenha no homem o sinal de seu suor. Mas que, sobretudo, tenha sempre o quente sabor da ternura.
Fica permitido a qualquer pessoa, a qualquer hora da vida, o uso do traje branco.

Artigo VI
Decreta-se que nada será obrigado nem proibido. Tudo será permitido, inclusive brincar com rinocerontes e caminhar pelas tardes com uma imensa begônia na lapela.

Artigo final
Fica proibido o uso da palavra liberdade, a qual será suprimida dos dicionários e do pântano enganoso das bocas.
A partir deste instante, a liberdade será algo vivo e transparente, como um fogo ou um rio, ou como semente do trigo, e a sua morada será sempre o coração do homem.

(JB, 06/07/98)
Thiago de Mello



ORDEM DO DIA

Não chegaremos ao livro, sem o leite e o pão,
nem chegaremos ao pão sem a terra e sem o teto,
nem chegaremos à terra sem liberdade e justiça,
oh! a indispensável coragem
para essa luta.

Lutemos, pois, todos nós, brancos, pretos e amarelos,
que choramos e comemos, que crescemos e estudamos,
que sofremos e construímos, como homens sem cor,
todos nós que precisamos do mesmo leite branco
e do mesmo livro, e da mesma terra, e da mesma liberdade
para viver.

Viver. Ou ao menos morrer, mas lutando.

J.G. de Araújo Jorge

publicado por Magaly Magalhães às 11:07 PM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário