Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










13.5.05
 

OBÁ, do livro Orixás, editora Três

Não sei se vou discorrer sobre um assunto que interesse a muitos, mas deve haver os que, como eu, têm curiosidade de saber algo mais concreto sobre a Dinâmica da Comunicação Simbólica.
No passado, houve a tentativa de se entender a sociedade como um sistema fechado. Não há, entretanto, como se estudar uma sociedade isoladamente. Ela pode até ser entendida dentro de si mesma, mas não isolada de outras. Com entender, por exemplo, os iorubás no Brasil (os iorubás são originários da Nigéria) se considerarmos tal núcleo populacional de modo fechado, sem levarmos em conta suas origens?
A sociedade deve ser estudada como um processo de comunicação pela interação incessante de seus elementos, já que é a capacidade que tem o homem de se comunicar simbolicamente que o distingue das outras espécies.
Esse tipo de comunicação sócio-cultural (abrangendo os tipos de comunicação biótica, biológica e psico-social) tenderia para o caos (entenda-se como caos a ausência de sentido, o nada, o vazio) não no sentido positivista, de ordem estática, pré-estabelecida e sim como organização que permite que o sistema fracasse, facultando simultaneamente a sua reformulação futura - ordem dinâmica.
Para melhor esclarecimento das idéias em exposição, temos que tecer considerações em torno da diferença entre homem e animal. Ora, sabemos que o animal nasce com programação completa que ele cumprirá através da vida, enquanto o homem nasce com a programação em aberto para receber, por estímulos externos, sua identidade e toda uma carga programática ditada pelo contexto em que está inserido. Neste campo, existem correntes de pensamento que se opõem.
Lacan, por exemplo, considera o inconsciente individual inteiramente vazio, isto é, não reconhece a personalidade oculta. A Antropologia Estrutural discorda de Lacan, quando este pensa no homem como uma caixa vazia. Acha que há um vazio, mas com características próprias de instintos com predominância deste ou daquele elemento.
Tentando apresentar um exemplo elucidativo, imaginemos um par de gêmeos. Por maior que seja a semelhança física entre eles, há sempre um ponto de diferença no agir, qualquer coisa que marca a distinção entre os dois. Essa diferença é necessária para a dinamização do sistema de comunicação.
Desse modo, podemos afirmar que cada ser é pessoal, intransferível, único, mesmo codificado pelo mesmo grupo social, ao mesmo tempo, nas mesmas circunstâncias.
Entre os animais, a comunicação só se produz por estímulos externos. Com o homem não, não na comunicação simbólica.
Se cada pessoa é necessariamente diferente da outra, um mesmo fato pode causar reações diferentes em pessoas mesmo afins, pode traumatizar intensamente uma pessoa e deixar outra mais ou menos indiferente. São essas as diferenças que promovem a comunicação; é a necessidade de troca de diferenças que a torna possível. É o contrário da coisa repetida, da comunicação morta (entropia) que perde seu significado inicial. Essas diferenças necessárias à comunicação não englobam idéia de valoração: é a desordem na ordem ou a ordem na desordem ( ordem e desordem: caracteres do símbolo). É esta polissemia que constitui o interesse do antropólogo estrutural.
Podemos, então, ficar seguros de que a socialização uniforme e homogênea empobrece a capacidade de comunicação, que é estimulada pelas diferenças: mais trocas de diferenças X melhor comunicação.

A título de fixação de conceitos, é bom repetir: Quando uma sociedade percorre todo o código previsto, acaba-se seu vocabulário. Aí, começa a escamoteação do código levando ao discurso invertido.
A quebra do código pode ser fracionada. Não se pode prever se um grupo vai mudar ou se sofrerá mudanças fracionadas.

Agora, a título de curiosidade: O desaparecimento dos índios bororos e dos índios apinagés não ocorreu pela falta de vocabulário, pelo esgotamento semântico, mas pela interferência de um código tão diferente do deles, tão absurdo para eles, que eles não tiveram capacidade de sobrevivência.


Estes pensamentos foram anotados de uma palestra ouvida na FACHA, proferida pela Profª Walderez, da cadeira de Antropologia no fim da década de 80. Como acho um assunto palpitante, inclino-me a registrá-lo aqui, com a finalidade de partilhar com quem aprecie a matéria.



E pra não dizer que não falei de ... poesia



PÓS-TUDO, de Augusto de Campos(1984)

publicado por Magaly Magalhães às 12:39 AM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário