Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










10.6.05
 


Sinto hoje que meu bem-estar está comprometido apontando difusamente para diversas causas. Não é acesso de baixa-estima; é auto-estima ameaçada, agredida pelos estremeções com que a nossa política, sempre inoperante, faz a gente descrer que vive no seio de uma democracia.
Não sei se vocês já notaram que eu me escuso de tocar em assuntos de ordem política pelo meu despreparo natural. Não me sinto bem em emitir opiniões sem embasamento ou sem parâmetros onde me apóie. E nunca tive curiosidade maior nessa área. Acontece que, se desconheço as artimanhas políticas, posso sentir na pele os seus efeitos.
Abro o jornal de manhã, decepção! Atualmente é o Mensalão, a CPI dos Correios,a desmoralização de serviços importantes para o país como a preservação da Floresta Amazônica e que tais. Uma enumeração é serviço penoso e irritante; qualquer ponta de tapete levantada exibe um sem número de coisas ilícitas. E os responsáveis vivem sua vida adamascada sem maiores remorsos.
Gente! A democracia está doente! Precisa de socorro, de antibiótico, de higiene
Precisamos achar um jeito de cuidar dela antes que seja tarde. A responsabilidade é de todos, cada um fazendo, dentro de seu raio de ação, o que é possível para reabilitar os valores éticos e morais: dentro da família, dentro das comunidades, dentro dos organismos sociais.

Para infernizar mais a paciência, vem a Argentina e pisa e repisa e sapateia na bola brasileira. Não agüento. Não dá para agüentar meeesmo!

Sabem de uma coisa? Vou tirar da manga um recurso *tiro e baque*. Vocês já devem ter percebido que, pra mim, fora da poesia não há salvação. Convido-os, então, a declamar com o nosso poeta Ferreira Gullar, que entende dessas coisas mal repartidas, este significativo poema:


Dois e dois: quatro

Como dois e dois são quatro
sei que a vida vale a pena
embora o pão seja caro
e a liberdade pequena.

Como teus olhos são claros
e a tua pele morena.

Como é azul o oceano
e a lagoa, serena.

Como um tempo de alegria
por trás do terror me acena.

e a noite carrega o dia
no seu colo de açucena

Sei que dois e dois são quatro
sei que a vida vale a pena

mesmo que o pão seja caro
e a liberdade, pequena.



E como daqui a três dias é Dia dos Namorados, um poema de amor (para adoçar a pílula), de nada mais, nada menos que o poeta Carlos Drummond de Andrade:

As Sem-Razões do Amor

Eu te amo porque te amo.
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.

Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.

Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.

Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.

De CORPO / Record / RJ

Feliz Dia dos Namorados! Amor, muito amor e felicidades!



UPDATE: Homenageando o poeta Fernando Pessoa na data de seu aniversário.

AUTOPSICOGRAFIA

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente

E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só as que eles não têm.

E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama o coração.


E VIVA! para Santo Antônio de Pádua que 13 de junho é o seu dia também!

publicado por Magaly Magalhães às 10:57 PM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário