Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










30.8.05
 



Pássaro de Ademir Martins

ELAS...

Elas vêm de tal modo impregnadas de liberdade, elas surgem na vida com uma espontaneidade tão clara, com uma simplicidade tão límpida e definitiva em todos os seus gestos, em todas as suas atitudes, em todos os seus movimentos, que constituem um terrível escândalo neste cárcere em que nós outros já perdemos essas mesmas qualidades, que um dia foram também nossas, mas que adultos de então foram arrancando dolorosamente, gritando coisas que não entendíamos e que na verdade não têm existência digna de ser respeitada: interesses mesquinhos, conveniências, preconceitos, ilusões estreitas, com rótulos graves de moral e dever...
Elas não acreditam nessas palavras, não as compreendem, não as aceitam. Porque elas não precisam de obedecer a dogmas, para serem puras, pois já são a própria pureza; não precisam de palavras que escondam os defeitos, porque aparecem perfeitas; não precisam de nenhum artifício porque são apenas verdade.
Mas, como o peso do ambiente é mais forte que toda a tenacidade de sua heróica resistência infantil, assim mesmo sem acreditarem, sem compreenderem e sem aceitarem, elas são forçadas a sucumbir sob a imposição violenta, obstinada, constante, das razões do adulto, exercendo sobre elas, com toda a largueza dos seus instintos de domínio, uma tirania que, desgraçadamente se supõe apoiada na rigidez das virtudes e nos ditames das experiências que podem ter sido de uma geração, mas...certamente não vão ser mais das seguintes, -- porque a eternidade da vida tem esta coisa singular: não repete os seus aspectos...
Elas poderiam criar um mundo mais verdadeiro, mais puro, mais de acordo com o sentido primordial da natureza. Elas são a vida em princípio e, apesar de todas as heranças que já carreguem em si, chegam diante de nós como se não tivessem passado, como se fossem apenas esperança, como se tudo, depois delas nascesse também outra vez, livre, infinito, admirável.
Mas suas perguntas mais profundas têm respostas horríveis. Ou insignificantes ou mentirosas.
Suas manifestações mais espontâneas são recebidas com uma hostilidade inesperada e amarga.
Seus primeiros pensamentos são encaminhados por um rumo que é o dos lugares-comuns, velhos e tediosos como ruas escuras.
Seus primeiros sentimentos são limitados segundo medidas cautelosas de avareza.
Elas, que vêm repletas de possibilidades intermináveis, transbordando ritmos, riqueza, vibração, alegria, têm de viver dentro de um círculo, contra a mesquinha curva, do qual o mais leve atentado é um tremendo crime.
A vida delas é assim.
É assim a vida das crianças. Foi assim a nossa, e a dos nossos antepassados. E a dos nossos sucessores também há de ser igual, se não tivermos hoje, todos nós, que somos responsáveis por elas, este heroísmo de as defender contra os nossos próprios interesses, contra o nosso sossego, contra as nossas conveniências, contra a falsidade da nossa existência que esmaga impunemente a sua incomparável e admirável vida.

(Rio de Janeiro, Diário de Notícias, 13 de junho de 1931)

Crônica de Cecília Meireles, do livro Crônicas de Educação I

Como vemos, Cecília, professora que era, esforçou-se na defesa de novos caminhos para a escola brasileira. Colocou nessa luta todo seu empenho de suas firmes convicções humanísticas. Sua contribuição neste sentido foi inestimável, valiosíssima.

O tema continua válido, pulsante, urgente. Podemos tomá-lo como bandeira e continuar a pregar e trabalhar em prol da Educação no Brasil.

Texto longo, vamos evitar um post longo demais. É preferível que haja tempo para digerir o pensamento da educadora.


Encerraremos rapidamente com um daqueles provérbios que foram explicados quanto ao significativo e ao histórico e está citado no livro Mas será o Benedito?, de Mário Prata:

Tá com a macaca

Significativo:
Está furioso.

Histórico:
A índia Bartira, filha de Tibiriçá, casou-se com Brás Cubas, fundador da cidade de Santos. Foi morar na casa dele e levou sua inseparável macaca. Quando brigavam, contam os historiadores, ela ia dormir com a macaca. Se alguém perguntava por ela para Braz Cubas, ele respondia: *Está com a macaca*
(Do livro Da fundação de Santos aos nossos dias, da pesquisadora da USP Carolina Aflalo)

Tem mais, tem mais, depois eu conto.


UPDATE (em 01/09/o5)

Uma notícia alvissareira:

A escritora Nélida Piñon acaba de ganhar o prêmio Jabuti com o livro Vozes do Deserto lançado em 2004. Ano brilhante, este de 2005, para a escritora que, em julho passado, teve a glória de receber o prêmio de Asturias. ( Foto acima)

Nossos entusiásticos parabéns, grande dama das letras.


publicado por Magaly Magalhães às 12:49 AM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário