Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










1.10.05
 

Falando de TROVAS


Trova: composição lírica ligeira, quadra popular, com versos de 7 sílabas.

Datam do século XII e eram cantadas ou recitadas pelos trovadores.


As trovas se mantêm nos dias de hoje com o mesmo sabor antigo Vamos ver exemplos de trovas portuguesas e brasileiras .



Quem não conhece alguma trova em nossa língua?

O anel que tu me deste
Era de vidro quebrou;
O amor que tu me tinhas
O anel o demonstrou.

A rosa depois de seca
Foi-se queixar ao jardim;
O cravo lhe respondeu:
Tudo o que nasce tem fim...

Costumei tanto os meus olhos
A namorarem os teus,
Que de tanto confundi-los,
Nem sei quais são os meus.


Não são graciosas estas trovas portuguesas?
(Encontradas em Cantares do Minho, de Fernando de Castro Pires de Lima e em O que o povo canta em Portugal, de Jaime Cortesão).

As trovas brasileiras são também muito sonoras:

Chuva que tem que chover
Por que é que está peneirando?
Amor que tem de ser meu,
Por que está negaceando?

Andorinha do coqueiro,
Dá-me novas do meu bem...
Os meus olhos estão cansados
De esperar por quem não vem.

Lá vai a garça voando
Coas penas que Deus lhe deu.
Contando pena por pena,
Mais penas padeço eu.

(Tiradas de Trovas Brasileiras, de Afrânio Peixoto)

Outras trovas:

De Belmiro Braga:

Vi teus braços... que ventura!
teu colo... as pernas... que gosto!
Agora, tira a pintura,
Que eu quero ver o teu rosto.


Mui decentes eu não acho
teus vestidos, minha prima:
são altos demais em baixo,
são baixos demais em cima!


De Bocage:

Aqui jaz um homem rico
nesta rica sepultura;
escapava da moléstia,
se não morresse da cura.


De Pe. Celso de Carvalho:

Se toda ilusão frustrada
se tornasse assombração,
que casa mal assombrada
não seria o coração!

Vá que se louve a formiga,
e à cigarra se condene...
Mas, quem teceu essa intriga
foi a cigarra: La Fontaine!


Vão Gogo (Millôr Fernandes):

Garota que fica ao sol
em largas horas à toa,
tostada fica gostosa,
mas crua já é bem boa.

Quando a garota morena
mergulha assim tão segura,
não sei por que lembro a frase
"água fria na fervura".

As garotas se banhando:
belo quadro sem moldura.
Para vê-lo emoldurado
eu olho na fechadura.

Namorar, minha menina,
é andar de caminhão:
a gente só passa à frente
se andar na contra-mão.

(Textos extraídos de Antologia de Humorismo e Sátira, de R. Magalhães Júnior e de Humor e Humorismo - Poesias e versos, de Idel Becker).

***

Depois de tanto falar sobre trovas, pergunto:

Sendo uma forma simples de versejar, quem se habilitaria a compor uma ou duas trovas utilizando nomes pré-escolhidos? Estes seriam:

a) primavera - volta - mais

b) olhos - sonhos - ilusão

O(a) autor(a) da melhor trova poderá dar os elementos pra a rodada seguinte. Vamos tentar esta animação?


ATENÇÃO!!! ATENÇÃO!!!

Uma alteração será feita na proposta para as quadras a serem apresentadas pelos leitores voluntários. Em vez dos 3 termos obrigatórios em cada quadra, vai vigorar 1 só, a saber:

1) Primavera 2) Olhos 3) Sonhos 4) Ilusão

O candidato escolherá um destes motes para sua quadra, podendo concorrer com uma trova para cada mote, se assim o desejar. (A alteração vai deixar os participantes mais soltos para criar).

Obs.:

Esta foi uma sugestão partida de nossa companheira e colaboradora Meg, amiga muito querida e aplaudida por todos nós.

publicado por Magaly Magalhães às 11:11 PM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário