Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










23.12.05
 



Estou aqui, como prometi, para desejar a todos os blogueiros amigos um

FELIZ NATAL!

Que a paz e a concórdia se façam entre nós nesse dia especial e que possamos comemorá-lo com alegria e devoção.

Pensei, pensei e cheguei à conclusão que uma espiada em nossas tradições natalinas é uma graciosa maneira de homenagearmos o Deus-Menino.
Daí, trazer ao conhecimento de vocês o feliz artigo do professor alagoano Abelardo Duarte sobre:

FESTAS DE NATAL

Não havia ainda a figura de Papai Noel entrado nos festejos natalinos do Nordeste. Papai Noel aparecia, sim, nos cromos de Natal, nos cartões-postais importados do estrangeiro, muitas vezes montado num trenó, correndo na neve e tirado por velozes e galhudos animais, as renas.
E o presépio, feito ao gosto da nossa gente, armado com cheirosas folhas de pitangueira e palmas e galhos de mato, surgia como uma criação nossa, engenho e arte da nossa gente. A própria intimidade que se tomava com as figuras sagradas, essa aproximação do nosso povo com o Recém-Nascido, deitado no tosco berço, um doce sorriso nos lábios e os bracinhos abertos e acolhedores, tudo, afinal, concorria para dar a impressão de uma obra bem nossa, dentro do sentido universal de sua criação. E essa intimidade ou trato familiar com as figuras sagradas leva muitas vezes, na construção dos presépios, a um sentido de arte primitiva, e mais do que isso, à inventiva, à criação de detalhes e à introdução de novas figuras e efeitos originais.
De igual modo para festejar a vinda do Menino Deus, a tradição juntou a devoção do presépio ao pastoril. A princípio cântico, jornadas e bailados diante do presépio armado executados pelas pastorinhas, grupos de crianças ou moçoilas trajada à moda de camponesas ou com simplicidade.
Era assim uma representação de caráter sacro levada a efeito nas igrejas ou nas residências particulares. Outras vezes, a encenação de verdadeiros autos e bailes pastoris, estes, em realidade peças dramáticas, com personagens e enredo, mas de inspiração igualmente sacra e em muito semelhante aos autos hieráticos portugueses, castelhanos e de outras origens. Esses autos ou bailes pastoris em versos perfeitamente metrificados, deviam-se aos poetas profanos e aos padres; o texto erudito, posteriormente deturpado, bem como a métrica estropiada pelos copistas sucessivos, deixa claro a sua verdadeira origem, tendo por modelo os autos de Gil Vicente e as éclogas de Juan de la Encina, principalmente. O teatro vicentino inspirou e propagou o surto poético dos autores dos bailes pastoris, não resta a menor dúvida.
A seguir, o pastoril foi deixando o ambiente sagrado das naves ou o recato das casas de família para o palco ou tablado de rua, e com essa extroversão, publicado em cadernos numa representação sacra pura, feita diante do presépio, isto é, o cunho de uma manifestação ou sentimento verdadeiramente religioso, saudando a vinda do Messias. Daí por diante, o pastoril sofreu a pressão dos fatores ambientais e entrou para o grupo dos folguedos populares da quadras das festas : folguedos de rua.
Em Nápoles, L. Lavenere colecionou e reviu alguns bailes pastoris, publicando-os em cadernos mimeografados; acrescentou que o original estava cheio de erros, havendo corrigido o que foi possível. O primeiro caderno da sua série é o Baile do rei Herodes, seguido de Baile de seduzida (ambos publicados no ano de 1948). O Baile do rei Herodes tem como personagens o rei Herodes, Maria, Gélia, pastora, um centurião, Jônia, pastora, Marília, pastora, soldados. Desenrola-se em três atos musicados. Do Baile da seduzida são personagens: libertina, fúria, Anjo Gabriel, pastoras. Ato único e musicado.
Outrora era muito comum a encenação de bailes pastoris.
O pastoril simples e ingênuo de antigamente, com as suas loas do Deus Menino:

Vamos, pastorinhas,
Vamos a Belém

com as suas jornadas de uma musicalidade suave,

Vamos ver o Prometido
Que é todo o nosso bem

transmudou-se no pastoril dos dois cordões azul e encarnado, estabelecendo-se entre os seus apreciadores, geralmente, um sentido de luta e rivalidade. O partidarismo cresceu e acirrou-se nos dias atuais com o novo costume da eleição da rainha do pastoril, cuja vitória deve recair numa das duas dirigentes dos cordões : mestra ou contra-mestra.
A vitória leva a eleita à cena final da coroação (fazendo hoje parte do pastoril) que marca o término da apresentação). Atinge então o entusiasmo partidário o seu climax. Há trono, coroa e vassalagem, em cena aberta, cânticos, vivas e anúncios, auxiliado tudo pelos amplificadores de rádio-difusão.
Outras modificações operaram-se ainda no pastoril. De cantigas relacionadas exclusivamente com o motivo sacro do Nascimento de Jesus, loas e jornadas delicadas, suaves, de fundo sacro, passaram a incluir no pastoril canções profanas em voga sem nenhum nexo com a representação. mas, não se trata evidentemente de fenômeno explicado pela dinâmica cultura.
São meros enxertos, sem evolução da temática. Tanto que para cantar as canções da época, as duas figuras principais do pastoril (mestra e contra-mestra) despojam-se dos seus trajes de pastores e de suas insígnias coloridas para apresentar-se com vestidos compridos de baile e utilizar-se de meneios e requebros, conforme a música. No tablado, empunhando o microfone, surgem baiana, à la Carmem Miranda, rumbeiras à Ninon, cançonetistas, sambistas) e intérpretes até da música carnavalesca (se non é vero...).
Há assim um desvirtuamento de comemorações do caráter sacro de que se deve revestir, sem falar na perda da tradição. Dirão os indiferentes que isso não constitui novidade e de há muito as vozes da igreja protestam contra as cenas profanas dos pastoris, contra pastoris dançados de modo impróprio e não por moçoilas ou crianças, como é o costume e manda a tradição.
O pastoril com os dois cordões de pastorinhas (o azul e o encarnado) já vem de longa data. As pastoras são moçoilas ou meninas trajadas de branco, tendo a tiracolo uma fita longa do cordão (conforme a cor) e trazendo na cabeça chapéu de palha rústico de abas largas com fitas. O cordão encarnado é chefiado pela mestra e o azul pela contra-mestra, havendo ainda outra figura feminina, que é a Diana, vestida igualmente de branco, mas trazendo ao mesmo tempo as duas fitas encarnada e azul a tiracolo. Quando surge canta:

Sou a Diana, não tenho partido
Meu partido são os dois cordões...

Outras figuras completam o conjunto como o pastor (o velho).

As "jornadas" ou números cantados e dançados são vários.
Muito populares são as seguintes:

Em dezembro, a 24
Meia noite, deu sinal,
Rompe a aurora, primavera,
Viva a noite de Natal!

Estrela do Norte
Cruzeiro de Belém
Vamos dar um bravo
À Diana também

O Natal do Nordeste, especialmente nas Alagoas, tem pois, com o presépio e o pastoril, um ambiente e um sabor especial. A noite de 24 de dezembro é festejada com os cânticos doces das jornadas, assinalando a vinda do Salvador e dando ao maior acontecimento do Advento cristão o sentido de uma comemoração humana nisso que se identificam pelos séculos afora, o humano e o divino.

Estrela do Norte,
Cruzeiro do Sul
Vamos dar um bravo
Ao cordão azul

Estrela do Norte
Cruzeiro sagrado
Vamos dar um bravo
Ao cordão encarnado


Gostaram?

Sou suspeita ao falar do sabor desta tradição. Alagoana de idade, estas são reminiscências das mais caras de minha infância.

Renovo aqui meus votos de FELIZES FESTAS para todos.

publicado por Magaly Magalhães às 1:34 AM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário