Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










16.1.06
 

Dahlias Oil Painting de Henry Matisse
www.wholesaleoilpainting.com


Para não ficar tão distante de meus gentis leitores, uns poemas, umas citações, alguma ironia, colhidos aqui e ali.

A cada dia, mais minha lida se complica e me vejo afogada em afazeres intransferíveis. Aceitem, pois, esta minha tentativa de continuar por aqui, mesmo não falando por conta própria.


Poema da Tarde

A tarde move-se entre os galhos de minhas mãos
Uma estrela aparece no fim deste meu sangue,
Minha nuca recebeu o hálito fino de uma rosa branca.
Todas as formas servem-se mutuamente,
Umas em pé, outras se ajoelhando, outras sentadas,
Regando a cabeça e o coração do homem:

E dentre os primeiros véus surge Maria da saudade
Que sem querer, canta.

Murilo Mendes


De O Mundo do Menino Impossível

O menino impossível
que destruiu até
os soldados de chumbo
de Moscou
e furou os olhos de um ?Papá Noel?,
brinca com os sabugos de milho,
caixas vazias,
tacos de pau,
pedrinhas brancas do rio...

'Faz de conta que os sabugos
são bois...'

'Faz de conta'...

'Faz de conta'

E os sabugos de milho
Mugem como bois de verdade...

Jorge de Lima


Pulsações

...o mundo de fora também tem o seu *dentro*, daí a pergunta, daí os equívocos. O mundo de fora também é íntimo. Quem o trata com cerimônia e não o mistura a si mesmo não o vive, e é quem realmente o considera *estranho* e *de fora*. A palavra *dicotomia* é uma das mais secas do dicionário.

Clarice Lispector


Até outro *furto* de tempo e que seja em breve.

publicado por Magaly Magalhães às 10:43 PM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário