Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










2.5.06
 
AS FOLHAS DA ÁRVORE DE BUDA


Arte digital: FLÁVIA


Numa situação limite, nos idos de 99:


EU LHE PEÇO

Fique comigo
como se o
tempo da gente
não fosse acabar

Agarre-se a mim
como se a
eternidade
pudesse esperar

Não vá sem mim
eu lhe peço
vamos juntinhos
também para lá


Na ocasião, meus dias eram de tormento e incerteza :


HOJE

Já não sonho,
minha luz ofuscou-se.
Dia claro,
é noite em mim.
Tensões me cingem,
me constringem.
E me restringem
a um ponto baço, lasso
bagaço sem graça
de uma vida
que poderia ter sido,
mas não foi.


Meditei muito na ocasião, sobre o estado de espírito em que me encontrava e pensei melhor:


AMANHÃ...

*... será outro dia ...*

Clichê, sim,
mas com conteúdo estimulante,
capaz de identificar
fragilidades, injustiças, incoerências.
O amanhã é sempre novo,
é a esperança
para aquele que
viveu, mas não se deu,
que amou sem se doar,
que dividiu, mas não somou
e quer tentar mais,
quer aprender a ser GENTE


Hoje, sete anos depois, veio o irremediável: a perda palpável, suas dores, as cabíveis considerações em torno, a infalível entrega à dor, a lassidão subseqüente, e finalmente, a reação por razões de foro íntimo humanas e religiosas.

O que lhes posso oferecer em matéria de reflexão:



ALVITRE

Não sonhe, viva
Não deseje, vá buscar
O caminho é longo? Encurte-o
O tempo é pouco? Expanda-o
Os recursos são parcos? Crie-os
Não esmoreça, não duvide, não desista!
A vontade é seu único motor
A persistência, sua única arma
A determinação, sua única força
A fé em Deus, toda a sua razão de ser
e de superar-se...


OBS:
Uma promessa que vou procurar cumprir com todo cuidado:

Isto é o introito de uma volta aos posts. Lavada a alma, juro que procurarei ser a companheira normal que tenho sido até agora. Não muito assídua no começo, mas esforçando-me por atingir um ritmo razoável.

Aproveito para reiterar meu profundo sentimento de respeito a todos os que vieram em meu apoio e têm contribuído para a gradativa restauração da minha paz íntima.



************************************************************

Nota oportuna:

No dia 2 de maio de 1519, morria o grande gênio do Renascimento, Leonardo da Vinci, cujo féretro foi seguido por sessenta mendigos de acordo com seu desejo expresso.

publicado por Magaly Magalhães às 10:37 PM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário