Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










22.5.06
 


On the terrace de Auguste Renoir
www.wholesaleoilpainting.com


Achei esta crônica de Cecília Meireles tão atual e necessária que resolvi transcrevê-la aqui para vocês:

A IMAGINAÇÃO MARAVILHOSA DA INFÂNCIA

É porque nós, desgraçadamente, já andamos esquecidos; mas quando fomos pequenos, tivemos também essa maravilhosa imaginação com que qualquer criança deslumbra o mais requintado poeta.
Nosso mundo foi feito de coisas prodigiosas: os milagres das fadas, os encantos dos bruxos, toda a mágica das histórias mais assombrosas sempre foi para nós muito verossímil, porque tínhamos em nós uma força misteriosa geradora das mais extraordinárias possibilidades.
Talvez porque convivíamos mais diretamente com a natureza, e a natureza é por si mesma assombrosa. Depois de ver uma borboleta voar, uma flor desenrolar-se do botão, uma semente transformar-se em planta, um passarinho sair do ovo e mais tarde cantar, uma estrela revelar-se, depois de feita a noite, um campo encher-se de pirilampos, as nuvens crescerem, unirem-se, viajarem, desfazerem-se, com que é que se vai admirar uma criança?
E éramos tão senhores da vida, com todos os seus cenários e as suas aparências, acreditávamos tanto na eternidade profunda das coisas, malgrado as suas superficiais e parciais extinções, que a morte era para nós qualquer coisa enganosa, que os adultos não tinham ainda encarado bem, que ainda não conheciam de perto e só por isso, com certeza, não sabiam ainda vencer...
Aquilo que se chamava educação, aquela acomodação ao ponto de vista vulgar, comum, estandardizado do adulto de cabeça preguiçosa, que resolveu possuir verdades feitas porque dá muito trabalho criar outras mais belas e, por isso mesmo, mais verdadeira aquele processo de sufocação do nosso espírito centro de um limite de anos, e com um fim antecipadamente disposto, deu em resultado esta humanidade que somos, bem diferente da que poderíamos ser, se nos continuássemos a desenvolver com aquela vocação para o infinito que foi a característica da nossa infância.
No entanto, a ciência, a realidade mais friamente positiva que existe, é cada vez mais uma espécie de comprovação experimental das adivinhações espontâneas da infância.
Cada vez mais parece que aquela frase: *A vida é um pensamento da juventude realizado na idade madura.* precisa começar a ser enunciada assim: *A vida é um sonho da infância transferido para mais tarde...*
Porque a infância traz encerradas em si todas as condições superiores do destino humano. Ela mesma não sabe disso: porque a sabedoria tem qualquer coisa de inconsciente. Mas vivem dentro dela todas as capacidades da vida, por mais difíceis, inacreditáveis, longínquas e indefiníveis que sejam.
As crianças têm sempre uma auréola para dilatar mais a órbita de qualquer realidade. Às vezes perdem-se nessa auréola. E dizem-lhes então que estão mentindo... Ah! Esses adultos banais...
Não sabem que elas dominam todos os impossíveis... Que são, mais ou menos, como aquele chinês a quem quiseram deslumbrar, um dia, mostrando um aeroplano, e que se limitou a dar de ombros, dizendo: *Que tem isso de extraordinário? É um papagaio com um homem dentro...*

Rio de Janeiro, Diário de Notícias, 15 de julho de 1931. (Colhida em *Cecília Meireles Crônicas de Educação*)


Como precisamos dessas vozes que não envelhecem nunca! Como nosso mundo de hoje deveria dar ouvidos a proposições tão oportunas e urgentes!




Depois do blá-blá,blá intenso sobre o livro/filme Código da Vinci (li o livro, vi o filme; abstenho-me de criticá-los porque seria uma opinião de leigo sem maior importância), vejo-me curiosa agora pela façanha do publicitário Leandro Muller , autor do romance *O Código do Aleijadinho*, , Editora Garamond, pelo selo Espaço e tempo, tendo o livro chegado às livrarias na semana passada, em plena efervescência originada pelo lançamento do filme de Ron Howard sobre o romance de Dan Brown.
Aguardemos o pronunciamento da crítica especializada. Mas não deixem de ler AQUI . Leiam AQUI TAMBÉM.





Atividade:

a)Que poema começa com estes versos:

*E em redor da mesa, nós, viventes,
comíamos, e falávamos, naquela noite estrangeira,*

b)Qual o autor?

Prêmio: Um poema de seu poeta preferido.

Bye, bye!

Espero retorno (por e-mail) relativo ao item ATIVIDADE, ok?

publicado por Magaly Magalhães às 5:43 PM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário