Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










14.6.06
 
DE TROVAS


Vamos tentar construir umas trovinhas como treino para o concurso que vai ser lançado no segundo semestre? Um ensaio, um treino, como queiram.
Vamos, porém, conhecer o que é necessário saber sobre trova, seu significado, suas origens, um pouco de seu histórico.
Aurélio diz: Trova 1.Composição lírica, ligeira, mais ou menos popular; 2.Canção, cantiga , quadra popular.
Ao que podemos acrescentar: composição de 4 versos de 7 sílabas cada um (métrica própria de composições populares), rimando mais comumente o primeiro verso com o terceiro e o segundo com o quarto (rima ABAB) e contendo um sentido completo. Difere por esta razão de quadras que compõem um poema de várias estrofes (mesmo de versos heptassílabos).
Uma trova gira em torno de um motivo ou tema, encerra-se em seus quatro versos.

Chamo atenção para a maneira como se contam as sílabas de um verso. A contagem se processa diferentemente da análise gramatical. Nesta, observa-se sua representação na escrita; na do verso, busca-se a realidade auditiva.
Por exemplo, no verso anda o sol pelas campinas, o gramático contaria nove sílabas enquanto para o poeta há somente sete sílabas, a saber:

an / da o / sol / pe / las / cam / pi /

Como vêem, o poeta liga o d ao o desprezando o a, na altura da segunda sílaba. E, na palavra final, só conta até a sílaba tônica pi.

Umas trovas como exemplos:

Segredos de amor ...Tolice!
Ninguém consegue esconder
Aquilo que o olhar já disse
Antes de a boca dizer!

Carolina Ramos


Em resposta à malvadeza
Com que o ser humano a atenta,
Floresce a mãe natureza
Dá frutos...e nos sustenta!

Cynira Antunes de Moura

Da minha amiga de trovas lindas, a Toninha, deixo estas duas para dar água na boca:

Mentira vira verdade
Verdade vira mentira
Em tempos de falsidade
Palavras dançam o'Vira'.

Erradicando os conflitos
E a corrupção que impera,
Transformaremos a vida
Em risonha primavera


Querem treinar nelas a contagem das sílabas? (Recomendado)

Está visto, então, que para começar a fazer trovas, é bastante observar os preceitos acima e usar a imaginação.

Quem quiser começar a tentar, é só me mandar as trovinhas por e-mail que, no próximo post, publico cada uma, acompanhada do devido crédito.

São estas, portanto, as atividades sugeridas: treinar a contagem e compor uma ou duas trovas.

Da próxima vez, veremos um pouco sobre a origem e dados históricos das trovas.


Bom, já que estão todos em ritmo de copa, e, portanto, eufóricos e felizes, vocês podem me conceder um instante para uma espécie de Hora da Saudade?



A MEU IDO AMOR

Eu sabia da grandeza
que sua alma guardava.
Ah!... não percebia tudo
que sua alma calava.

Doces anos fecundaram
o lar que desabrochou .
em risos e gorgolejos
e em faina se tornou.

Houve riscos e tristezas,
risos, prazeres, saudades,
tempo suficiente e calma

de articular as certezas.
de desvelar as verdades
que ele calava na alma

12 de maio de 2006
Rio de Janeiro

Com beijos de agradecimento pela concessão.

publicado por Magaly Magalhães às 7:55 PM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário