Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










3.6.06
 


*Escrevo para dar sentido à minha vida, mas o que importa é a vida*

*... (a poesia) fala de coisas essenciais, do enigma da vida, de experiências existenciais intensas, ainda que momentâneas.*


É isso mesmo; vou lá, venho cá, torno a ir, torno a voltar e volto por fim às fontes que geram preciosidades com esta aqui, por exemplo:


UMA PEDRA É UMA PEDRA

uma pedra
(diz
o filósofo, existe em si,
não para si
como nós)

uma pedra
é uma pedra
matéria densa
sem qualquer luz
não pensa

ela é somente sua
materialidade
de cousa:
não ousa

enquanto o homem é uma
aflição
que repousa
num corpo
que ele
de certo modo
nega
pois que esse corpo morre
e se apaga

e assim
o homem tenta
livrar-se do fim
que o atormenta

e se inventa


Vocês sabem que falo do festejado poeta Ferreira Gullar. A partir desta poesia pertencente a uma nova safra, ele *reafirma a opção de trabalhar a linguagem coloquial num registro elaborado*

*A maneira como me relaciono com a linguagem modifica-se em função da própria experiência com as palavras e os poemas. A matéria da minha poesia tem sido a linguagem coloquial, as palavras de uso corriqueiro. O Poema é o lugar onde a prosa vira poesia, é um artefato construído de modo que a energia potencial, que está nas palavras, acenda e vire uma outra coisa, transfigurando a linguagem usual.*
Estes trechos foram colhidos de uma excelente entrevista por Ricardo Musse no nº 1 da revista Entrelivros (maio de 2005).

Aliás, a revista Entrelivros , além da boa apresentação, é especial em todos os seus itens: artigos, resenhas, colunas, reportagens, entrevistas, seções. Quem me colocou nas mãos esta preciosidade (adivinhem?). Só podia ser nossa orientadora cultural: a extraordinária MEG.


E, agora, quero anunciar minha intenção de voltar à tão arejada forma de versejar que é a TROVA, que vocês há pouco tempo aceitaram de bom grado, entrando no concurso infelizmente planejado num momento pouco favorável de minha vida e que, por tal razão, foi à garra, teve que ser interrompido.

Eu mesma não sei se já estou com fibra para enfrentar tal façanha. Então, vamos antes de tudo, preparar o clima, conversando sobre o assunto, falando sobre os tipos de trova, apresentando trovas de autores consagrados. Acho que assim vai haver um bom estímulo pra nós todos.

Vou até me precipitar e já deixar aqui umas trovinhas bem gostosas de uma amiga/irmã (há mais de meio século) cuja verve aumenta com a idade.

O amor anda escaldado.
A esperança nem falar.
A paz de súbito alada
Foi noutro astro pousar

Povos descendo aos infernos,
Os mesmos que Deus criou.
Que gente insensata é essa
Que o bom senso dissipou!


Que tal? Por ora, não revelo a artista, mas dou o apelido com que carinhosamente a chamo: Toninha. Vou trazê-la muitas vezes aqui. Não quer nada com informática; é da roda dos poetas e artistas.

Houve mais de uma pessoa propondo que eu repita o item Atividade. Vamos lá. Respondam por e-mail, ok?

ATIVIDADE:

a) De quem é este poema e qual seu título?

Aqui me tenho
Como não me conheço
nem me quis

sem começo
nem fim

aqui me tenho
sem mim

nada lembro
nem sei

à luz presente
sou apenas um bicho
transparente

b)Prêmio / participação: Duas trovas bem transadinhas.

Para alegrar os olhos de vocês:



COMPOSIÇÂO / Cícero Dias

publicado por Magaly Magalhães às 10:41 PM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário