Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










26.7.06
 


Este post é dirigido a quem quer afiar o ouvido para fazer trovas.

Trovas de escritores consagrados:

1
Saudades, só portugueses
Conseguem senti-las bem
Porque têm essa palavra
Para dizer que as têm

2
A vida é um hospital
Onde quase tudo falta.
Por isso ninguém se cura
E morrer é que é ter alta.

3
O poeta é um fingidor,
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

Fernando Pessoa

4
"Oh, linda trova perfeita,
que nos dá tanto prazer!
Tão fácil, depois de feita,
tão difícil de fazer! ..."

Adelmar Tavares

5
As garotas se banhando:
belo quadro sem moldura.
Para vê-lo emoldurado
eu olho na fechadura.

Vão Gogo (Millor Fernandes)

6
Vá que se louve a formiga,
e à cigarra se condene...
Mas, quem teceu essa intriga
foi a cigarra. La Fontaine!

Pe. Celso de Carvalho

7
A beleza não te atrai?
Só te casas por dinheiro?
Tu pensas como teu pai,
Que morreu velho e... solteiro.

Belmiro Braga

8
São sentidos, são tristonhos
os versos do trovador.
quem se alimenta de sonhos,
nunca se farta de amor.

César Coelho

9
Tu fingiste que me amaste,
eu fingi que acreditei.
- Foste tu que me enganaste
ou fui eu que te enganei?

Benedicta Melo

10
A saudade é luz da lua,
luz que a tristeza gelou,
a iluminar os caminhos
por onde o sol já passou.

Djalma Andrade

Trovas de autores desconhecidos

1
Eu não quero, nem brincando,
dizer adeus a ninguém:
quem parte, leva saudades,
quem fica, saudades tem.

2
Se onde se mata um homem
pôr uma cruz é preceito
tu deves trazer, Maria,
um cemitério no peito.

3
Você diz que sabe muito,
há outros que sabem mais;
há outros que tiram pomba
do laço que você faz.

4
Samburá cheio de peixe,
orgulho do pescador.
Quatro versos num só feixe,
orgulho do trovador.

5
Minha casinha caiada,
casinha de pescador,
tem no alpendre a rede armada,
para embalar meu amor.


Leiam em voz alta, sentindo o ritmo e contando as sílaba. Assim, ó:

mi-nha-ca-si-nha-cai-a (só se conta até a tônica da última palavra)

ca-si-nha-de-pes-ca-dor (vai até a última dor/tônica)

tem>-noal-pen-drea-re-dear-ma (ligação de sil/ átonas na 2ª e na 4ª)

pa-raem-ba-lar-meu-a-mor (a 2ª é junção de silabas átonas)


Digam a verdade: não é gostosinho fazer essa contagem? Então treinem e até lá.


As rosas da imagem de hoje têm uma dona. Elas vão para a Meg que é louca por rosas.

publicado por Magaly Magalhães às 10:25 PM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário