Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










13.9.06
 

UMA PAUSA PREVISTA


Chegou a hora de dar meu adeusinho a vocês. Claro que vou sentir um bocado, mas a maratona que me espera vai me deixar em tal roda viva que não vou ter muita folga para as saudades. Quando voltar, virei cheia de novidades e, então, descontaremos o tempo de ausência.
Deverei estar sem internet já na próxima semana. Então, quero deixar um abraço apertado a cada um de vocês e um desejo profundo de que vocês se conservem felizes neste meu período de afastamento.

Deixo também uns poeminhas meus pra quem gosta de versos. Não ficaram muito tempo em quarentena, como gosto que fiquem, mas tenho que fechar tudo pra balanço. Aproveitem e sugiram alterações. Quando estiver de volta considerarei as sugestões apresentadas.

Pena que são versos tristes, mas a saudade trai a gente mesmo. É o companheiro da vida inteira que não volta. É o filho ausente que faz aniversário. Quem sabe, depois dessas mudanças que começo a acionar, meus versos tomem cores mais leves e saibam a alegria?


DESEJOS VÃOS

Ao Téo


Vontade de estar contigo,
desejo de ouvir tua voz.
Desgaste não ver sentido
no que faço, no que olho,
no que paira sobre nós.

Parem a música! Parem a dança!
Quero estar só com meus ais.
Voltar à fase criança...
Não vêem que peno e choro
a dor de não tê-lo mais?!

Hoje sou só uma sombra
a preencher os desvãos
da vida que inda me honra.
Reflito, medito e oro.
O resto... desejos vãos...

31/ 05/06, Rio de Janeiro



ESTÊVÃO 2006


Dia frio, molhado, lacrimoso.
Recolho lembranças, choro saudades.
Tento reunir retalhos da tua imagem,
recompor tua face de mandíbulas rijas,
nelas ancorado sempre aquele teu riso
espontâneo, pronto a soltar-se com alarde
ou a desfazer-se de mansinho,
preludiando algo lúdico e prazeroso.

Quanta falta me tens feito!
Três anos de desalentada ausência.
Meninos continuam meninos,
homens, mulheres (poucos os de boa vontade)
continuam por aí.
Sem ti.

Em familia, és lembrado
com a ternura de sempre e
a cada evocação recebemos contentes
os chuviscos de alegria que daí esparzes

Feliz dia de teu aniversário, filho,
enquanto durar meu exílio aqui.

04 /08 /2006, Rio de Janeiro
E,
para não dizer que só falei de tristezas e saudades, deixo este poema de um tempo mais ingênuo.



O POETA E A LUA


Solta a lua na noite aberta, desce e
vem prender-se a alado ser à sua espera
Ébrios um do outro e translúcidos
planam juntos, a lua e o poeta.


- Preciso de tua luz compensadora
sou um oceano de revoltas emoções.
Só tua reveladora claridade
pode ater-me à vida nessas condições.


- Tua eu sou, poeta ensandecido,
mas não só tua, de todos os poetas
carentes de frios raios de luz
a atenuar-lhes a fervescente verve.


- Vem, façamos uma fina parceria,
a vida é fugaz e me deixa alerta.
Em sua eternidade, como poderia ela
ser só minha se haverá sempre poetas?

1998 / Rio de Janeiro

Beijos, beijos, beijos.


Antes de finalizar, quero lembrar a todos que o SUBROSA faz seu 5º aniversário no próximo dia 19 e que vai haver festa. Vamos todos lá dar nosso Viva ao blog mais palpitante da internet?

E mais: o Subrosa lança um post revelador. Vale constatar o que digo. Corram lá.

E vão também ao CIRCULANDO para ler: *Cidadão, assuma-se e confirme*.


publicado por Magaly Magalhães às 11:09 PM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário