Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










30.1.07
 


Incompreensão, insensibilidade, intolerãncia.

Como andam soltas e que mal suscitam!

Ainda estupefacta com o aluvião que varreu nosso mundo blogueiro.

Aos poucos, os ânimos arrefecem graças à palavra competente, ao espírito de justiça e sensibilidade de blogueiros amigos e experientes.

Agradeço a preocupação de alguns em relação ao choque que eu teria experimentado, dados os casos recentes de morte na família e dada a minha idade avançada.

Não nego que me abalei e sofri, como a maioria dos amigos da Meg, mas, a partir da onda de suspeitas que se levantou, é claro que o que me acudiu foi a certeza imediata de que se tratava de um posicionamento limite partido de uma situação constrangedora.

E muito me admira que a compreensão dessa situação não se tenha aberto a todos os seus amigos imediatamente. Muitos, justiça seja feita, cantaram alvíssaras com a constatação da não-morte da blogueira evoluída que sempre se mostrou decidida a encaminhar valores novos.

Peço desculpas a todos pelo meu silêncio durante o desenrolar do caso, mas eu estava vazia e angustiada, incapaz de me manifestar.

Vamos cumprir o papel de amigo a distância, oferecendo, mesmo indiretamente, o apoio que está em nossas mãos, a palavra, o incentivo, o carinho, com bondade, tolerância, amor. Dever cristão que todo mundo conhece teoricamene e que temos oportunidade, agora, de exercitar.

Um poema de Celan:

COMO TE EXTINGUES em mim:

ainda no último
e gasto
nó de ar
estás lá com uma
faísca
de vida.

( tradução: Claudia Cavalcanti )

E a rosa de hoje

Edouard Manet

Siga em frente, Meg,rumo à recuperação e à vida plena, sentindo a força em que repousa este nosso desejo.


publicado por Magaly Magalhães às 5:56 PM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário