Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










12.1.07
 

Por Sérgio Fonseca


TEMPO E ARTISTA



Imagino o artista num anfiteatro
Onde o tempo é a grande estrela
Vejo o tempo obrar a sua arte
Tendo o mesmo artista como tela

Modelando o artista ao seu feitio
O tempo, com seu lápis impreciso
Põe-lhe rugas ao redor da boca
Como contrapesos de um sorriso

Já vestindo a pele do artista
O tempo arrebata-lhe a garganta
O velho cantor subindo ao palco
Apenas abre a voz, e o tempo canta

Dança o tempo sem cessar, montando
O dorso do exausto bailarino
Trêmulo, o ator recita um drama
Que ainda está por ser escrito

No anfiteatro, sob o céu de estrelas
Um concerto eu imagino
Onde, num relance, o tempo alcance a glória
E o artista, o infinito

Chico Buarque


Só podia ser Chico. Com que classe ele trata o tema, com que carga de sensibilidade ele filtra as emoções.
Encontrada no blog Papel de Pão, de Sérgio Fonseca Aliás, vale a pena conferir o ensaio que ele escreveu sobre o show do Chico no Canecão, as fotos, sim, as fotos de todo o desenrolar do show, referências à vida, obra, textos, apresentações do artista, tudo apresentado com muito gosto e propriedade. É, Sérgio, este misto de poeta, cronista, escritor, fotógrafo e blogueiro maior sabe como encantar a gente.


***
Uma contribuição da casa:
*O nada traz um todo de ausência ao todo da presença.*
Paulo José Miranda
De *A Tragédia Grega e o Primo Basílio* de Eça de Queirós

*das nichten dés Nichts*
Heidegger
O NADA


Penso no nada,
no nada heideggeriano -
a ausência em presença,
a ausência materializada
em tudo o que sentimos,
percebemos, sonhamos, apalpamos.

E me confundo...me sinto ruir...

O nada esgarça a vida,
toma todos os espaços, expande-se,
tumultua, intoxica, sufoca,
exerce ação apocalíptica,
neutraliza qualquer gesto ou ação.

Ao todo da presença instala
o todo da ausência e aponta
para o nada em que nos podemos tornar.

Estremeço, fraquejo... Reajo.

O nada tem a ver com abandono,
desprezo, desolação,
tristeza extrema..
fuga de si mesmo,
desespero.

Não, não pode atingir aqueles que possuem
Fé na razão de ser da Vida,
Fé inabalável
na perene Presença de um
Deus Vigilante
Onividente
Onisciente
Onipotente

14 / 11 /2006
Rio

publicado por Magaly Magalhães às 10:01 PM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (0) comments
Postar um comentário