Divulgar idéias próprias, combater o discurso invertido corrente, aprender a dividir, expor sentimentos,
trazer poesia ao dia-a-dia, eis a abrangente ação deste veículo de idéias. De tudo, um pouco - minha meta.
 

online


envie-me um



Links:

Imagens e Palavras
Sub Rosa v.2
Meg
Xico
Cora Ronai
Flavia
Divagando
Carminha
Subrosa
Claudio Rubio
Lou
Laurinha
Matusca
Suely
Claudia Letti
Aninha Pontes
Valter Ferraz
Telinha
Giniki
Teruska
Helo
Fal
Dudi
Fer
Lord Broken Pottery
Nelson da praia
Marco
Arquimimo
Angela Scott
Dauro
Bia Badaud
Angela do Mexico
Andre Machado
Aurea Gouvea
Ruth Mezeck
Ronize Aline
Ane Aguirre
Elis Monteiro
Cath
Wumanity
Telhado de Vidro
Beth
Milton Ribeiro
Stella
Veronica
Renata
Lucia
Thata
Zadig
Lamenha
annemsens
Cesar Miranda
Paulo Jose Miranda
Eiichi
Li Stoducto Stella Ramos Santos





Arquivos
Junho 2002
Julho 2002
Agosto 2002
Setembro 2002
Outubro 2002
Novembro 2002
Dezembro 2002
Janeiro 2003
Fevereiro 2003
Março 2003
Abril 2003
Maio 2003
Junho 2003
Julho 2003
Agosto 2003
Setembro 2003
Outubro 2003
Novembro 2003
Dezembro 2003
Janeiro 2004
Fevereiro 2004
Março 2004
Abril 2004
Maio 2004
Junho 2004
Julho 2004
Agosto 2004
Setembro 2004
Outubro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007




Design de
Rossana Fischer










4.9.07
 


Alex Vallauri Sem título Mista sobre papel

Compartilhando

Estou aqui, diante da tela, sem tempo de elaborar ou mesmo pesquisar um texto interessante para vocês, pacientes que têm sido com esta minha marcha lenta, de intervalos cada vez mais longos. Veio-me, então, uma idéia: quem sabe, vocês curtiriam uns poemas meus mais antiguinhos, talvez de uma época em que eu me cobrasse muito menos, o que pode desmerecer a qualidade, mas salvaguarda a espontaneidade.
Nunca escrevi nada com intenção de publicar, reunir em livro; era só pra consumo íntimo, pra família. E demorei a trazê-los pra cá. Com o tempo, a confiança na tolerância dos leitores foi-se estabelecendo e, a partir de certa altura, aos poucos, comecei a mostrá-los. Agora, restam esses mais antigos, mais ingênuos, anteriores às duas grandes perdas de membros da família que me abalaram sobremodo.


MEUS AMORES

São sete “figuras”
São sete azougues
Vocês vão gostar :
Meus sete amores

João vem primeiro
Único varão
Dos quatro pimpolhos
De uma estação

Helena e Lígia
Sucedem a João
Por último vem
Luísa – Ação !

Agora, atenção !
É a gata Laurinha
Que puxa a linha
Da outra estação

Quem segue atrás
Vocês não calculam
É o Bê, é a Duda
Tremendo cartaz !

Leninha é mestra
Na dança e no resto
Lígia, peça-chave
Em qualquer projeto

Luluca calcula
Bê traça e pinta
Dudinha desfila
Laurinha é artista

João pinta, disputa
Helena estuda
Liginha dirige
Com pulso e batuta

Laurinha se expressa
Bê fala o exato
Luluca observa
Dudinha quer palmas

Coruja” não sou
Não pensem tão mal
São sete amores
De graça infernal !

1998 / Rio


CANTIGA TRISTE

Está tarde, está frio
Tão escuro, tão sombrio!
Quem vem afagar-me a testa?
Quem vem encher-me o vazio?

O vento geme lá fora
A chuva fria não pára
Meu coração também geme
geme baixinho e cala

Por que chora a natureza?
Por que o vento fustiga?
Tem coração o mundo?
Tem o vento o dom da intriga?

Como estou triste, eu choro
Não posso culpar ninguém
Nem a chuva, nem o vento
Nem o mundo, nem meu bem

Choro, porque estou triste

1998 / Rio


AMOR – AMANTE

É a hora da aurora
é a aurora do instante
que sutil se incorpora
ao tempo do amor-amante

É a hora da visão
é a visão do exato
poder do amor em ação
gerando vida num ato

Que paire sobre os amantes
a consciência dos passos
dados em febris instantes

Vida é termo sagrado
fruto de plano divino
Que se lhe dê fino trato ...

1999 / Rio



PARADOXO

Sou ( ... ) a soma dos descaminhos
a contradição em progressso

Afonso Romano de Sant´Anna

Somos...

a mão que guia
a voz que orienta
o ombro que acolhe
o gesto que atende
a força que estimula
a calma que embala

ou...

a mão que paralisa
a voz que adultera
o ombro que se esquiva
o gesto que ameaça
a força que corrompe
a calma que abala

Contradição humana!
Há caminhos
e muitos descaminhos

Somos o somatório dessas posturas
empenho em crescer
crescer sem desempenho

Humano, “demasiadamente humano”,
resgatando o filósofo
voltando ao poeta.

2.000 / Rio

Está de bom tamanho? Vou guardar os que faltam para outro dia de ‘hibernação’. Não me queiram menos bem por infligir-lhes esta minha inspiração canhestra. Prometo que o próximo post de poemas vai ser de poemas maiúsculos, como foi o caso do anterior.

Ih! Agora que me toquei! Sou louca! Logo em seguida a um expoente da Poesia Lusa!

Senilidade declarada. Mil perdões.


publicado por Magaly Magalhães às 9:05 PM
Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$> (1) comments
Postar um comentário